Miscelânea

<LIVROS>   O POVO CONTRA A DEMOCRACIA: POR QUE NOSSA LIBERDADE CORRE PERIGO E COMO SALVÁ-LA Yascha Mounk, Companhia das Letras Em O povo contra a democracia, o cientista político Yascha Mounk analisa as principais razões que sustentam a conjuntura de crise que paira sobre as democracias liberais. Para tanto, lança mão de uma escrita …

por em

Robôs, os culpados ideais

Desde que o economista John Maynard Keynes imaginou, em um ensaio de 1930, um futuro em que a mecanização permitiria “três horas de trabalho por dia, ou uma semana de quinze horas”, e possibilitaria “consagrar nossas energias ainda disponíveis a objetivos não econômicos”,1 a questão da automação não mais saiu do debate público. Nós a …

por em

Quando o ódio ao comunismo alimentava o antissemitismo

Onze mortos e seis feridos: esse foi o saldo do atentado cometido em 27 de outubro de 2018 por Robert Bowers, que abriu fogo em uma sinagoga em Pittsburgh, na Pensilvânia, Estados Unidos. Antes de entrar em ação, o atirador publicou, em redes sociais, diversas mensagens racistas que acusavam os judeus de conspirar para destruir …

por em

A guerra suja do Estado britânico

Há um conceito recorrente no vocabulário político: o de “Estado profundo”. Originalmente, referia-se à estreita relação entre instituições estatais repressivas, o crime organizado e a extrema direita em países que experimentaram ditaduras militares, como Grécia e Turquia. Entretanto, foi esvaziado de sentido ao ser adotado pelos apoiadores do Brexit e pelo presidente dos Estados Unidos, …

por em

O quebra-cabeça norte-irlandês diante do Brexit

Nos últimos meses, as negociações ligadas ao Brexit colocaram sob a luz dos refletores um ator pouco conhecido: o Partido Unionista Democrático (DUP). Aliados dos conservadores para lhes propiciar maioria na Câmara dos Comuns desde as eleições gerais de 2017, seus dez deputados com assento em Westminster se dizem a um só tempo favoráveis à …

por em

As incubadoras de comentaristas entrevistados na mídia

Em 17 de novembro de 2018, nas rotatórias das ruas francesas, mais de 300 mil pessoas protestavam. Era o ato I do movimento dos coletes amarelos, o início da maior mobilização vista na França desde 1968. No mesmo dia, no grande anfiteatro da Sorbonne, em Paris, algumas dezenas de pessoas estavam reunidas para, “diante da …

por em

Reviravolta na diplomacia francesa?

Mal se instalara na poltrona de presidente da República, em 14 de maio de 2017, Emmanuel Macron já multiplicava os gestos de ruptura com a diplomacia de seus antecessores. O frio siberiano das relações russo-francesas durante o mandato de François Hollande foi sucedido pela recepção ao presidente Vladimir Putin sob os ouros do Castelo de …

por em

No Tibete, uma visita bastante guiada

O budismo é de enlouquecer. Pelo menos é isso que se pode imaginar diante da agitação provocada pela futura sucessão do 14º dalai-lama, Tenzin Gyatso, de 84 anos. Em Pequim, o Partido Comunista Chinês (PCC) pretende indicar – se não escolher – a reencarnação do “Buda vivo” que substituirá o odiado líder. Em Nova York, …

por em

Uma oportunidade para salvar o planeta?

Por René Castro Salazar Todos os países e todos os habitantes somos responsáveis pelo futuro da Terra, especialmente pelas novas gerações, que herdarão um mundo em estado de coma. A Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP, na sua sigla em inglês, realiza sua 25ª reunião anual em Madri, Espanha, entre …

por em

A pílula da obediência

No sábado, 13 de abril de 2019, em Paris, Claire Leblon, chefe de equipe em um grande hotel na região de Paris, sentou-se mais uma vez na sala de espera para uma consulta de rotina na psiquiatria infantil com Niels, seu filho de 11 anos. Em poucos minutos, o garoto estava em frente ao médico, …

por em

O despertar do vulcão argelino

Argel, sexta-feira, 1º de novembro. Dezenas de milhares de pessoas descem do alto da cidade e entram na Rua Didouche-Mourad. A artéria central se revela estreita demais para conter a maré humana. Jovens, crianças, mulheres e idosos formam uma correnteza humana disparatada, estampando as cores da bandeira argelina de todas as formas, em chapéus, echarpes, …

por em

Na Bolívia, um golpe fácil demais

Um presidente “convidado” a renunciar por seu chefe do Estado-Maior. Forças policiais disparando munição real contra manifestantes. Uma caça às bruxas que leva à prisão de ex-líderes políticos e obriga outros a passar para a clandestinidade. Veículos de comunicação fechados, jornalistas encarcerados por “sedição”, parlamentares impedidos de ter acesso à Assembleia Nacional, uma senadora que …

por em

Chile, o oásis seco

Era início de outubro, poucas semanas antes da explosão social que sacode o Chile em toda a extensão de sua estranha geografia. Uma explosão que, no momento em que estas linhas são escritas, tem um saldo de vinte mortos, centenas de mutilados, milhares de feridos, um número indeterminado de presos, torturas, agressões sexuais e inúmeras …

por em

Bilionários e a reforma tributária

Os dados publicados pela edição especial da revista Forbes que aponta os atuais 206 bilionários brasileiros, comparados às informações do IBGE, que mostra o rendimento médio da população de nosso país, trazem uma grande perplexidade para os cidadãos que têm sentimento de justiça social, valores como solidariedade e se preocupam com o futuro da nação. …

por em

A qualidade do ar não pode estar na mesa para negociação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que mais de 92% da população mundial esteja exposta aos riscos da poluição do ar interna e externa todos os dias, resultando em cerca de uma morte a cada dez (11,6% de todas as mortes em nível global), totalizando 7 milhões de mortes anuais, das quais 600 mil …

por em

Um desastre no mar brasileiro

Desde o início de setembro o Brasil presencia um imenso nódulo de óleo tomar conta de sua costa marítima. Entre a curiosidade sobre as causas misteriosas do vazamento e a indignação acerca das consequências danosas da mancha, o país assiste a seu maior desastre marítimo, inédito por sua extensão geográfica e por sua duração temporal. …

por em

A gota d’água

As políticas de austeridade chegaram ao limite, no entender dos povos de vários países da América Latina. Os governos autoritários que implantam essas políticas, cada vez mais distantes do povo, ignoram o desespero, os sofrimentos, a pobreza, a exclusão que suas políticas produzem e continuam a aprofundar a espoliação das maiorias. Na verdade, não é …

por em

“Uma carnificina”

Ninguém poderia invejar a sorte de Nathalie Dompnier, presidente da Université Lumière-Lyon 2, quando ela teve de comentar a imolação pelo fogo, em 8 de novembro, de um de seus alunos. Com seu gesto, Anas K., de 22 anos, pretendia protestar contra a miséria e o impasse de sua condição social. Ele tinha de trabalhar …

por em