Miscelânea

REVOLUÇÃO AFRICANA – UMA ANTOLOGIA DO PENSAMENTO MARXISTA Jones Manoel e Gabriel Landi Fazzio (orgs.), Autonomia Literária   Arsenal crítico indispensável para aqueles que apostam no aprendizado com as lutas passadas e não se deixam convencer pelo apagamento da história, Revolução africana, reunindo pensamentos de Fanon, Nkrumah, Amílcar Cabral, Mondlane, Machel, entre outros, traduz um …

por em

Depois de Hollywood e de Bollywood, Wakaliwood!

Em 2005, Feeling Struggle, de Haji Ashraf Ssemwogerere, que narra o destino de uma menina roubada de seus pais para um sacrifício ritual, ganhou o título de primeiro filme ugandense. Nesse país, as salas de cinema se reduzem a um lugar qualquer, cadeiras, uma tela de televisão e um magnetoscópio; mas, apesar da carência gritante …

por em

A indústria digital é movida a carvão

Certa feita, um engenheiro da Microsoft foi enviado por seu empregador a Atyrau, o maior campo de petróleo do Cazaquistão, explorado pela Chevron em parceria com o Estado cazaque. Lá, ele participou de um seminário sobre como a inteligência artificial e a informática em nuvem (cloud computing)1 podem tornar a indústria petrolífera mais eficiente. Diante …

por em

Contra a pandemia, ecologia

Seria um pangolim? Um morcego? Ou mesmo uma cobra, como se ouviu antes que isso fosse desmentido? Quem será o primeiro a descobrir qual foi o animal selvagem responsável pelo coronavírus, oficialmente chamado de Covid-19, que apanhou em sua armadilha centenas de milhões de pessoas, postas em quarentena ou barradas por cordões sanitários na China …

por em

Taiwan, grande vencedor da guerra comercial entre China e Estados Unidos?

Qual é o caminho para as empresas norte-americanas que fabricam seus produtos na China? Taiwan! Em plena guerra comercial entre Pequim e Washington, em junho de 2019, Terry Gou, CEO da empresa taiwanesa Foxconn, defendeu essa saída.1 De modo semelhante a diversas transnacionais instaladas no território chinês, a Foxconn, principal fornecedora de componentes para a …

por em

A mídia em guerra contra Bernie Sanders

Desde o início das primárias presidenciais do Partido Democrata, o pânico tomou conta das principais mídias dos Estados Unidos. No New York Times, o economista e cronista Paul Krugman reinaugurou uma prática bem ao gosto do público, criada em 2016 e que consiste em igualar o candidato “democrata-socialista” Bernie Sanders a Donald Trump.1 Os republicanos …

por em

Israel-Palestina, um plano de guerra

No dia 28 de janeiro de 2020, na Casa Branca, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, o único na tribuna ao lado do presidente dos Estados Unidos, cujas palavras ele degustava, tinha um ar muito satisfeito. Donald Trump finalmente apresentava seu “acordo do século”,1 para um público cativo: uma plateia de judeus ultranacionalistas e/ou religiosos e …

por em

Da Argélia ao Sudão, os tremores secundários da Primavera Árabe

Os sismólogos conhecem bem o fenômeno: os tremores secundários normalmente causam mais danos que os terremotos que os antecedem. A Primavera Árabe, ocorrida em 2011-2012, causou profundas fissuras nos sistemas autoritários que governam a região, mostrando o poder que os movimentos populares podem ter quando quebram o muro do medo. Em 2019, a região pôde …

por em

Separatismo das grandes cidades

Para conquistar a prefeitura de uma grande cidade francesa em 2020, todo candidato sério deverá obedecer a algumas regras. Por exemplo, comprometer-se a plantar árvores. Em Paris, Anne Hidalgo propõe semear 170 mil em seis anos, enquanto seu concorrente Cédric Villani, apresentador em julho de 2019 de uma “Noite das Árvores” na Fundação Cartier, defende …

por em

Basta de presença francesa na África!

Um galo nas cores da bandeira francesa bicando um imponente saco de grãos com o formato do continente africano: no fim de 2019, essa charge viralizou nas redes sociais africanas, principalmente nos países de língua francesa. Seu sucesso é parte de uma onda inédita de críticas à França no que até recentemente era chamado de …

por em

Em psiquiatria, a era das celas de isolamento

Em geral, um paciente recalcitrante ou violento é mantido preso dentro de um quarto. A cama é chumbada ao piso; às vezes há uma pia, às vezes não; às vezes há um vaso sanitário, às vezes não – apenas “um balde higiênico sem tampa, de onde emana um forte cheiro de urina e fezes”. De …

por em

A greve, apesar de todos os obstáculos

Considerado em estado de morte cerebral depois da mobilização dos coletes amarelos, o movimento sindical reencontrou alguma força na luta pela defesa das aposentadorias. No entanto, diante de um governo que acelera as reformas neoliberais, a relação de forças necessária para fazê-lo recuar deve ser muito alta – e talvez fora de alcance, dadas as …

por em

A destruição da democracia

Um ataque horrível está acontecendo contra os valores humanistas e republicanos na contemporaneidade. A democracia está no exílio e instituições democráticas como mídia independente, escola, sistema judiciário, partidos políticos, sindicatos de trabalhadores, movimentos sociais e universidades públicas estão sitiadas ao redor de todo o mundo. Alguns dos exemplos mais recentes podem ser encontrados tanto nos …

por em

Cuba resiste

Estive três vezes em Cuba neste início de 2020, a serviço da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). O país está seriamente afetado pelo bloqueio usamericano, agravado pela política agressiva de Donald Trump. Falta gás de cozinha e combustível para veículos. Os navios mercantes são ameaçados de sanções caso aportem …

por em

México: onde estão os 43?

“Onde estão os 43?” A pergunta inscrita em diversos muros de cidades do México atormenta o tempo todo um país que o vice-secretário dos Direitos Humanos, Alejandro Encinas Rodríguez, descreveu como uma “imensa fossa comum clandestina”.1 A pergunta se refere ao desaparecimento de 43 alunos da Escola Normal Rural conhecida pelo nome de Ayotzinapa, assim …

por em

O impasse da direita na América Latina

Em 2016, a revista econômica mexicana Expansión deu um suspiro de alívio: “América Latina: o pêndulo volta para a direita”.1 A Argentina acabava de eleger o empresário Mauricio Macri; o industrial Pedro Kuczynski se mudava para o palácio presidencial peruano; e, no Brasil, Michel Temer havia conseguido tirar o PT do poder. O campo conservador …

por em

Diário do Ano da Peste

Em 1665, Daniel Defoe tinha 5 anos e vivia em Londres. Meio século depois ele relatou as memórias daquele ano no qual a peste bubônica invadiu a Europa. Os mais ricos ou os que conseguiam se evadir foram para o exterior. Os padres fugiam com medo de suas funções; outros se transformaram em negociantes de …

por em

É possível sair deste abismo?

Há alguns anos estamos vivendo como se um verdadeiro trator tivesse passado sobre tudo o que acreditávamos sobre conceitos que pensávamos básicos e universais, como o de democracia e a necessidade de sua manutenção para que pudéssemos viver bem como sociedade. O que aparentemente se revela como uma mudança instantânea tem suas raízes em processos …

por em

Desigualdade

Tem sido comum atribuir à desigualdade a situação de pobreza, a violência e a criminalidade que campeiam no Brasil. Seria a enorme e crescente diferença entre ricos e pobres uma das principais causas dos males que afligem nossa sociedade. O diagnóstico não está errado, mas trata a desigualdade como causa, e não como consequência. A …

por em

Ventriloquismo norte-americano

A decisão britânica de abandonar a União Europeia chegou tarde demais. A saída de um Estado que encarnou ao mesmo tempo o livre-comércio desde a Revolução Industrial do século XVIII, o alinhamento com Washington desde a “relação especial” anglo-americana louvada por Winston Churchill, a financeirização desde que a economia e a política britânicas passaram a …

por em