Miscelânea

PELA METADE: A LEI DE DROGAS NO BRASIL Marcelo da Silveira Campos, Annablume   Em 2006 tivemos uma mudança substantiva na lei que operava as ordenações referentes às substâncias ilícitas: era lançada a chamada Nova Lei de Drogas. À primeira vista, ela mostrava, ao que parecia e tudo indicava, pontos positivos para o avanço do …

por em

O discreto adeus de Jeremy Corbyn

O mandato de Jeremy Corbyn à frente do Partido Trabalhista terminou em abril, em meio a um silêncio sepulcral. O Reino Unido encontrava-se em pleno confinamento. Seu destino estava nas mãos do Serviço Nacional de Saúde (National Health Service, NHS), cujo subfinanciamento e falta de efetivos Corbyn não cessara de denunciar, e à mercê de …

por em

Retratos de missionários midiáticos

Em 1969, um jovem funcionário público norte-americano perguntou a Richard Nixon qual seria a região do mundo a que ele deveria se dedicar para fazer uma carreira de sucesso: “Especialmente não a América Latina, da qual todos riem”,1 respondeu o presidente. Um ano depois, Nixon mudou de ideia: a eleição de Salvador Allende foi o …

por em

A caquistocracia

Stanley Hoffmann acreditava que a melhor explicação para o início da Segunda Guerra Mundial podia ser encontrada em O rinoceronte, a peça de Eugène Ionesco. Para o eminente acadêmico norte-americano, o absurdo da peça “capta melhor do que qualquer trabalho de História ou de Ciências Sociais todos os absurdos e tragédias dessa longa descida ao …

por em

Na África, a promessa de “economia emergente” não passa de uma miragem

Era uma vez a ideia de emergência do continente africano. Ela surgiu, sem dúvida, em 1957, em um relatório de Richard Nixon intitulado The Emergency of Africa [A emergência da África].1 O então vice-presidente dos Estados Unidos acabara de voltar de uma viagem à África durante a qual havia conhecido uma dezena de dirigentes, entre …

por em

Petróleo, acordos e desacordos

O dia 21 de abril de 2020 certamente entrará na história como aquele em que o “ouro negro” custou menos do que água de chuva. Nessa data, a Bolsa de commodities de Nova York fechou negociando um barril de West Texas Intermediate (WTI) ao preço negativo de US$ –37,63 no mercado futuro. Metade da humanidade …

por em

Trabalho, família, wi-fi

Boas notícias no jornal das oito da noite do canal France 2 do dia 6 de maio de 2020. No quinquagésimo dia de confinamento na França, enquanto a escassez de equipamentos sanitários fustigava o país em plena pandemia de Covid-19, a Prefeitura de Paris anunciou que finalmente ia distribuir máscaras gratuitamente nas 906 farmácias da …

por em

Confinados na matrix

Meses de doença e confinamento levaram populações inteiras a depender cada vez mais da mídia para se informar, refletir, discutir e trabalhar. Embora a distribuição da imprensa escrita tenha sido prejudicada pelas medidas de confinamento, raramente seu consumo foi tão grande: jornais, cadeias clássicas de rádio e televisão, vídeos na internet, redes sociais, informações 24 …

por em

Por que desconfiar das estatísticas chinesas sobre o coronavírus

Enquanto os Estados Unidos se afundam na crise sanitária, Donald Trump e seu governo apontam o dedo para a China, acusando-a de ter minimizado a gravidade da epidemia. Os Estados Unidos, seguidos pela Austrália, querem agora promover uma pesquisa internacional. Denunciam a Organização Mundial da Saúde (OMS), cujo diretor é acusado de complacência, ou mesmo …

por em

Três hipóteses geopolíticas para o pós-pandemia

Uma crise persistente é uma prova de resistência: os fortes a atravessam, os fracos sucumbem a ela. O centro não se quebra a cada golpe. Pelo contrário. Há alguns anos, vivemos uma crise mundial que promete ser forte e duradoura. Se Nova York sucumbir – o que eu não acredito que vá acontecer –, o …

por em

No Texas, armados contra o confinamento

Cada estado dos Estados Unidos tem sua própria história sobre o vírus. A do Texas começou de repente em 6 de março, quando Steve Adler, prefeito democrata da capital, Austin, declarou emergência municipal e cancelou um festival internacional uma semana antes da data marcada. Ainda não haviam sido relatados casos de Covid-19 na cidade. Adler …

por em

Nos Estados Unidos, “no fundo, nada vai mudar”

Este é o pior momento da história dos Estados Unidos. A pandemia que os profetas do desastre anunciavam havia décadas caiu sobre nós sem que estivéssemos minimamente preparados. Nosso governo mastodôntico, tão pronto em tempos normais a explorar a fundo o menor reflexo de medo, sobretudo quando isso é conveniente para a extrema direita, permaneceu …

por em

A disputa de discursos sobre a pandemia

Na maioria das interpretações, a pandemia não é vista só como uma crise sanitária. Neste artigo convidamos o leitor a olhar para a pandemia como um “acontecimento”. O filósofo Byung-Chul Han, recuperando Nietzsche e Foucault, destaca que o “acontecimento” abre uma fissura na certeza dominante. É tão imprevisível e repentino como um evento natural. Apresentando …

por em

A escalada da desigualdade em meio à “coronacrise”

Quando a epidemia de coronavírus foi descoberta pelos chineses, em dezembro de 2019, a economia-mundo já dava sinais de desaceleração. No meio da guerra comercial com os Estados Unidos, o crescimento econômico da China registrou, em 2019, seu pior resultado em trinta anos (6,1%). De todo modo, o crescimento do PIB norte-americano (2,3%), da zona …

por em

Que a austeridade fiscal não volte da quarentena

A pandemia atingiu o Brasil em meio à aplicação de uma agenda de reformas centrada na austeridade e na redução do papel do Estado na economia. A realidade concreta impôs uma mudança no rumo da política econômica e transformou o debate fiscal no Brasil. Em poucas semanas, o gasto público passou do grande problema do …

por em

O laboratório e a experimentação do trabalho na pandemia do capital

Primeiro ato O mundo principiou este trágico ano de 2020 de modo muito diferente. Não bastasse a recessão econômica global e em curso acentuado no Brasil, já visualizávamos no radar sinais de expressivo aumento dos índices de informalidade, precarização e desemprego, quer pela proliferação de uma miríade de trabalhos intermitentes, ocasionais, flexíveis etc., quer pelas …

por em

É nóis por nóis!

Quem é que vai cantar a dor que nóis sente? Quem é que vai sangrar na linha de frente? Quem é que vai somar, fortalecer a corrente? Se não for nóis por nóis, quem é que vai ser pela gente? A286, “Nóis por nóis”   No mundo inteiro, o discurso neoliberal está mudando e reconhecendo …

por em

A aposta no caos

A situação é desesperadora. Vivemos uma epidemia que já mata mais de mil pessoas por dia no Brasil, sem que o governo federal tenha adotado uma estratégia de defesa da vida e mobilizado todos os recursos disponíveis para controlar a Covid-19. O vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, além de todos os seus …

por em

Vender Audis na Birmânia

Da criação, em 1950, da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço à da União Europeia (UE), passando pelo Tratado de Roma e pelo Mercado Comum, os arquitetos da Europa tiveram por inimigos declarados o protecionismo e a soberania. Não devemos estranhar, portanto, que, mesmo num momento em que a economia internacional periclita e o …

por em