O epicentro da crise econômica mundial

Será que o anúncio feito pelo Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano), de uma grande diminuição das taxas de juros, conseguirá evitar a recessão nos Estados Unidos? Vários especialistas acreditam nisso. Mesmo esperando a redução do crescimento, não antecipam um esfriamento brutal da economia mundial. Porém, outros analistas, também adeptos do capitalismo, demonstram bastante …

por em

No coração do conservadorismo

De frente para o Oceano Pacífico, pés na água, deixo-me levar pelo bate-papo casual tão apreciado pelos americanos em férias. Uma bondosa senhora de Los Angeles está sentada a meu lado, sobre as rochas. Ela me fala de seu filho. Eu lhe pergunto se tem só um. “Sim. E o senhor, tem filhos, lá na …

por em

Sociedades efervescentes, governos sem gás

A opinião pública costuma lembrar-se do Mercosul1 ou quando há um conflito espinhoso entre os países vizinhos ou ao ver a enésima foto de mais uma requentada cúpula presidencial em que, entre vivas e promessas, os canhões oficiais relançam o “bloco-bala”. Com a proliferação dos âmbitos de integração2 , um Presidente seguidamente é obrigado a abraçar aquele …

por em

As dificuldades de uma revolução sem revolução

Ainda que seja de bom tom entre a esquerda internacionalista querer “mudar o mundo sem tomar o poder”, para citar o título do famoso livro de John Holloway1, a Bolívia escolheu uma outra via. Ao fim de um ciclo conflituoso no país2, vivido entre 1999 e 2005, Evo Morales consagrou-se o “primeiro presidente indígena” da …

por em

Uma peça fundamental no xadrez de Bin Laden

Fomos abruptamente envolvidos em uma luta que não é nossa. Eu preferia não ter que enfrentar o exército libanês”. Foi nesses termos que Chahine Chahine, considerado um dos dirigentes do grupo Fatah Al Islam, se dirigiu a um negociador durante o cerco montado pelo exército do Líbano ao campo de refugiados palestinos de Nahr Al …

por em

Entre o exército e o fundamentalismo

Turquia, 29 de outubro de 2007. A comemoração do 84º aniversário da proclamação da República ganha as ruas. Tudo está bem no país. De pé, lado a lado, o presidente Abdullah Gül e o chefe do Estado-Maior Yasar Büyükanit passam as tropas em revista. A crise desencadeada dias antes pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão …

por em

Washington brinca com fogo na Somália

“Nossos mujahidins combateram ferozmente os invasores etíopes e seus lacaios somalis. O inimigo de Alá fez uso de artilharia pesada em resposta. Queimaram totalmente o mercado no intuito de destruir a propriedade islâmica na Somália”: assim se exprimiu o xeque Muktar Robo Abu Mansur, dirigente do movimento clandestino Shabab (Juventude), a ala radical dos muçulmanos …

por em

As bases sociais da explosão queniana

Três dias após as eleições históricas se realizarem num clima de perfeita calma – nas palavras do embaixador americano em Nairóbi, Michael Ranneberger – o Quênia pegou fogo. O anúncio dos resultados, manipulados em favor do atual presidente Mwai Kibaki1, imediatamente provocou mais de 700 confrontos. O incêndio espalhou-se rapidamente e a violência cresceu. A …

por em

Longe demais dos pequenos empreendedores

O Brasil tem sistema financeiro vigoroso e abrangente, com produtos sofisticados, para diferentes nichos de mercado. Suas estratégias de crédito convivem com programas de crédito direto ao consumidor, parcelamento de vendas indiscriminado e marginalmente a agiotagem, além de outros arranjos menos ortodoxos, como a antecipação de moeda corrente em troca de bilhetes e tíquetes de …

por em

Um império regido pela lei da selva

Os jornais andam cheios de siglas: CPMF, IOF, CSLL. Todas as baterias se voltam contra o Estado, o grande vilão, que estaria nos espoliando, levando embora nosso rico dinheirinho. Como se trata realmente de um bem precioso para nós, vale a pena esclarecer como a coisa toda funciona: com raras exceções, nossas transações econômicas, sejam …

por em

Para onde vai o Fórum Social Mundial

Desde 2001, quando surgiu em Porto Alegre, o Fórum Social Mundial (FSM) tornou-se uma referência da nascente cidadania de dimensões planetárias. Já em seu início surpreendeu pela capacidade de mobilizar milhares de pessoas em oposição à globalização econômico-financeira dominante e ao discurso ufanista de seus pregadores neoliberais. Tendo como antípoda o Fórum Econômico Mundial, conhecido …

por em

Tem gente lucrando com o desemprego

Mais um idoso com futuro precário? Não se a Agência Nacional pelo Emprego (ANPE) puder evitar. Há quatro décadas, esse estabelecimento encarna um princípio constitucional francês: o Estado assume a responsabilidade sobre as pessoas sem emprego. Antes exclusiva, a atividade enfrenta agora a concorrência de centenas de empresas que fazem exatamente a mesma coisa. Escritórios …

por em

Os direitos do homem são mesmo universais?

Os direitos do homem são um dever universal. Ao menos é isso que o Ocidente tenta impor para todos os povos do mundo, independentemente de sua cultura. Exige que eles subscrevam seus preceitos, sem exceção ou brechas, e esquece que esse mesmo padrão foi forçado goela abaixo dos próprios europeus. A fabricação do “universal” foi …

por em

Democratizar a democracia

Já em outubro de 2002, insatisfeito com os escândalos associados às privatizações e à fabricação do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, o Fórum da Cidadania de Santos pronunciou-se em defesa da reforma política, um tema recorrente, que ia e voltava do Congresso, mas continuava engavetado pelos parlamentares. Em agosto de 2005, revoltados com a …

por em

Os rururbanos e a natureza

Filadélfia, outubro de 2000. Em uma palestra sobre o habitat humano, o geógrafo Brian J. L. Berry apresentou à platéia o termo “e-urbanização”. Sua reflexão abarcava basicamente os Estados Unidos. Na ocasião, Berry afirmou que a dispersão do habitat, já em curso, fora virtualmente induzida pela fusão perfeita entre a revolução na informática e o …

por em

A construção democrática e o futuro

“A Política é a arte de adquirir poder na pólis; e o ensino da política consiste em fazer com que os educandos aprendam como ter o máximo de poder na pólis, pela ação e pela palavra.”2 A derrota eleitoral do PSDB em 2002 deixou o partido silencioso durante os dois primeiros anos do governo Lula, …

por em

Somente um liberalismo é possível

Para compreender as entranhas do liberalismo é preciso situá-lo na história e tomá-lo por inteiro. É isto que nos lembram dois livros publica-dos recentemente. A obra de Christian Laval tem o feitio e as qualidades de uma pesquisa1. A de Jean-Claude Michéa é um ensaio2. Juntos, os dois autores revivem a construção metódica de uma …

por em

Até onde vai a participação cidadã?

Em 2008, a atual Constituição Brasileira completa vinte anos. Muitos balanços podem e devem ser realizados. Mas um talvez seja essencial: a avaliação crítica da democracia participativa brasileira. A Constituição de 1988 proclamou uma concepção universalista dos direitos sociais e definiu importantes mecanismos de participação, como o plebiscito, o referendo popular, a iniciativa popular de …

por em

A hipermassificação e a destruição do indivíduo

Uma fábula dominou as últimas décadas e iludiu em boa parte os pensamentos políticos e as filosofias, afirmando, desde 1968, que tínhamos enfim alcançado a era do “tempo livre”, da “permissividade” e da “flexibilidade” das estruturas sociais, a sociedade do lazer e do individualismo. Esse conto de fadas, teorizado sob a denominação de “sociedade pós-industrial”, …

por em

Um outro retrato de Stálin

Não há palavras suficientes para descrever a importância da obra As guerras de Stálin, recém lançada pelo historiador britânico Geoffrey Roberts [1]. Desde 1989, seus trabalhos rejeitam a caricatura de Joseph Stálin armada pela “sovietologia” francesa, então sob o comando de estudiosos do comunismo como Stéphane Courtois e François Furet. Roberts descreve em seu livro o …

por em