Janeiro 2022

Edição 174

R$ 18,00Comprar

EDITORIAL

Os limites das propostas de mudança

Edição 174 | Brasil

DOSSIÊ ESPECIAL – POR QUE A ESQUERDA PERDE

A gente gostaria, mas não pode…

Edição 174 | Europa

É inverno para a esquerda europeia. Distantes das esperanças despertadas em seu lançamento, as novas formações críticas da social-democracia, Podemos na Espanha (pág. 8) e Die Linke na Alemanha (pág. 12), estão fragilizadas, enquanto na Itália o desaparecimento do Partido Comunista, em abril de 1991, deixou o campo progressista perdido (pág. 11). Incapaz de ouvir as aspirações populares e aproveitar o descontentamento geral (pag. 6), a esquerda espera reunir, graças a uma retórica consensual, grupos sociais que, no entanto, tudo separa (ver abaixo)


A QUESTÃO DO CUSTO DE VIDA É CENTRAL

O que a esquerda não percebe nas classes populares

Edição 174 | França

O preço da gasolina, que fez os Coletes Amarelos saírem às ruas, nunca havia tido a honra de merecer reivindicações das organizações de esquerda. Nas classes populares, esse está longe de ser o único tema que não encontra repercussão política nem sindical…


PODEMOS NA ESPANHA

Os limites da renovação

Edição 174 | Espanha

O campo progressista parece muitas vezes atolado por seus jargões, esmagado pelos seus ícones. Entretanto, simplesmente “fazer algo novo” não é o suficiente para vencer. E mostrar-se “menos militante” pode significar abrir mão de um apoio crucial no momento em que a disputa política começar


NO ESPECTRO DO CONFORMISMO

O estranho desaparecimento do Partido Comunista Italiano

Edição 174 | Itália

Com quase 3 milhões de filiados, o Partido Comunista Italiano foi durante muito tempo a formação comunista mais poderosa da Europa Ocidental. A organização de Antonio Gramsci e dos partisans provocava calafrios nos Estados Unidos. O PCI, no entanto, deixou de existir em abril de 1991, levando com ele toda uma identidade política


DUAS LINHAS PARA UM MESMO CAMPO

Na Alemanha, colapso e conflito de orientação

Edição 174 | Alemanha

Proverbiais e desestimulantes, as disputas internas dos partidos refletem, às vezes, escolhas estratégicas cruciais. Na Alemanha, este é o caso do Die Linke (A esquerda): a formação deveria reconquistar sua base popular nos estados orientais ou tentar atrair o jovem eleitorado urbano?


CAPA

A adesão a Jair Bolsonaro

Edição 174 | Brasil

As pessoas que deixaram de apoiar Jair Bolsonaro tendem a dizer que não viram entrega de resultados pelo mandatário tanto no combate ao crime e à corrupção quanto no avanço da economia. Mesmo entre os religiosos, começa-se a questionar o coração cristão do presidente diante de atitudes e manifestações vistas como sem compaixão


É PRECISO TOCAR O CHÃO DOS NOVOS TRABALHADORES BRASILEIROS

Reconciliar a esquerda e a classe média

Edição 174 | Brasil

É compreensível que os ex-emergentes, agora em decadência, vejam em Lula a saída para voltarem a aspirar a uma vida melhor. Mas não podemos nos esquecer daqueles que se viram espremidos entre pobres e ricos nos governos do PT e que ainda mantêm certo ressentimento, oscilando na preferência por Lula ou Bolsonaro


UMA ALIANÇA DA ANTIPOLÍTICA COM MILITARES E NEOPENTECOSTAIS

O governo Bolsonaro e a direita brasileira

Edição 174 | Brasil

O bolsonarismo é tanto um movimento quanto uma forma de governo, e as estruturas de direita que o apoiaram como governo tendem a sobreviver à sua derrocada. Algumas delas estão fortemente enraizadas na sociedade, como é o caso das Forças Armadas. Já o neopentecostalismo não tem uma presença tão estrutural na sociedade, mas chegou para ficar. Por fim, os grupos da antipolítica tentarão se opor ao novo governo desde o primeiro momento


COMIDA DE VERDADE EM XEQUE

Lobby na regulação dos alimentos ultraprocessados

Edição 174 | Brasil

Assim como o tabaco esteve no centro do debate, a regulação dos alimentos ultraprocessados deverá dominar as discussões de saúde pública no Brasil e no mundo nos próximos anos e décadas. Não há mais como desviar o foco. Trata-se de uma pauta cuja hora chegou


O LABORATÓRIO DO NEOLIBERALISMO VIRA A PÁGINA ELEGENDO UM PRESIDENTE DE ESQUERDA

No Chile, tudo vai começar

Edição 174 | Chile

Com quase 56% dos votos, o candidato de esquerda Gabriel Boric acaba de ganhar as eleições presidenciais contra o deputado José Antonio Kast, candidato nostálgico da junta militar de Augusto Pinochet. Com 35 anos de idade, Boric se tornará o presidente mais jovem da história da América Latina em 11 de março de 2022. E, então, tudo estará por fazer…


ESQUI DÁ OS PRIMEIROS PASSOS NO PAÍS DOS JOGOS OLÍMPICOS DE INVERNO

“O maior mercado de esquiadores iniciantes”

Edição 174 | China

A China às vezes se atrasa, mas, quando os dirigentes e empresários se envolvem, tudo muda na hora. Os esportes de inverno quase não existiam em 1995. Perto dos Jogos Olímpicos, que acontecerão em fevereiro, o país totaliza cerca de oitocentas estações. As melhores pistas de esqui são cobertas e podem acolher simultaneamente 3 mil praticantes.


“EM ALGUM LUGAR” ENTRE A UCRÂNIA E A MOLDÁVIA, À SOMBRA DA RÚSSIA

Transnístria, vestígio de um conflito congelado

Edição 174 | Moldávia

O presidente da República da Transnístria foi reeleito, sem surpresas, nas eleições de 12 de dezembro. Nessa região separatista e pró-russa da Moldávia, a política não mobiliza mais as multidões – a começar pela juventude, cansada de viver em um Estado não reconhecido. Já as autoridades defendem a independência e uma visão multicultural da nação moldava, em linha com a herança soviética


RUPTURA DIPLOMÁTICA E DISCURSOS BÉLICOS

Queda de braço entre o Marrocos e a Argélia

Edição 174 | Magreb

Os tempos da convivência indiferente entre Argel e Rabat parecem ter ficado no passado. A questão do Saara Ocidental, sem resolução desde 1975, envenena novamente as relações entre os dois pesos-pesados do Magreb. Soma-se a isso a aproximação do Marrocos com Israel, vista pelas autoridades argelinas como uma ameaça militar direta


LUTA CONTRA O SEXISMO COTIDIANO

As mulheres japonesas não aceitam mais se calar

Edição 174 | Japão

O triunfo do Partido Liberal Democrata nas eleições legislativas de outubro de 2021 no Japão vem acompanhado por uma derrota do feminismo, com uma queda no número de mulheres eleitas. Entretanto, com a ajuda do movimento #MeToo, vozes aparecem e mobilizações se formam. Mas ainda não conseguem franquear as portas das empresas nem dos parlamentos


UMA CONFERÊNCIA INÉDITA DE PIERRE BOURDIEU

A imposição de uma visão de mundo

Edição 174 | França

Antigamente combatida como uma heresia, a renovação da Sociologia operada por Pierre Bourdieu durante a segunda metade do século XX agora é trabalhada no ensino médio francês. Em seu arsenal intelectual, a noção de campo, em geral mal compreendida, ocupa um lugar central. Em novembro de 1995, ele explicava no que ela consiste


MÚSICA

Artista, eu sou um luxo…

Edição 174 | Mundo

Como é a vida profissional de um artista festejado pela crítica e por seu público, mas que é ignorado pelas rádios e pela televisão? Quais questões – íntimas, sociais, políticas – são suscitadas pelo sucesso limitado? Um cantor estampado como “de qualidade” procura responder a essas questões


TRINTA MILHÕES DE EUROS EM CONTRATO PÚBLICO POLITICAMENTE CORRETO

Esses gentis artistas governamentais!

Edição 174 | Europa

Sonhar com mundos novos? Diversos “criadores” responderam ao chamado do governo, engajado em financiar generosamente projetos com essa finalidade. O governo acertou em cheio: esses projetos não correm o risco de causar problemas nem de flertar com a crítica. Os artistas laureados estão a serviço do embelezamento do sistema


SOCIEDADE AUTOFÁGICA

Capitalismo: sistema desmedido e destruidor

Edição 174 | Mundo

Em seu último livro, o filósofo Anselm Jappe, um dos representantes mais notáveis e inovadores da escola da teoria do valor, analisa o capitalismo como um sistema em que o valor mercantil impõe uma dominação abstrata, impessoal, que esmaga tudo em seu caminho, como um trator monstruoso


Miscelânea — Resenhas

Edição 174 | Mundo