Abril 2011

Edição 45

R$ 24,00Comprar

EDITORIAL

Um campo político fragmentado

Silvio Caccia Bava


CIDADES BRASILEIRAS

Desafios da questão urbana

Os conhecidos e assustadores problemas das nossas cidades precisam ser entendidos como partes fundamentais da questão nacional. Os mecanismos que submetem a questão nacional à lógica do crescimento mercantil são aqueles apontados por Celso Furtado como os responsáveis pela manutenção do Brasil como uma nação inacabadaLuiz César Queiroz Ribeiro|Orlando Alves Santos Junior


CIDADES BRASILEIRAS

A produção social de vulnerabilidade urbana

Em que pese a importância das melhoras inegáveis nas condições de vida nas cidades brasileiras, ainda que insuficientes, é preciso considerar a persistência de problemas estruturais que geram precariedades, desigualdades e vulnerabilidades nos espaços urbanosKazuo Nakano


IRRESPONSABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL

Chuva de poeira prateada

Falha em operação da Companhia Siderúrgica do Atlântico (TKCSA) desencadeia uma série de eventos de poluição atmosférica na região de Santa Cruz e da baía de Sepetiba, no Rio de Janeiro. Segundo a população, fenômeno produz algo como uma chuva de poeira prateada, que cai sobre as casas e gruda na pele.Bruno Milanez|Marcelo Firpo de Souza Porto|Dario Bossi|Danilo Chammas


MEIO AMBIENTE

A Fase e a Rio+20

O Rio de Janeiro sediará em maio de 2012 um evento que pode simbolizar o fim de um ciclo e o início de outro. Na Rio+20 espera-se que seja feito um balanço das conferências da ONU dos anos 90, que incluíram discussões sobre população, direitos humanos, mulheres, desenvolvimento social e agenda urbana.FASE


POLÍTICA EXTERNA

Brasil, um país doador

Cruzamento inédito de dados mostra que o país já fornece mais do que recebe em ajuda internacional entre governos e agências multilaterais. Conforme se expande a cooperação brasileira, cresce também o seu poder econômico e político no mundo.Amanda Rossi


CUBA

O feijão e a reforma

Carestia e estagnação econômica levam governo socialista a recorrer à propalada capacidade da iniciativa privada de produzir desenvolvimento. Ideólogos da mudança acreditam que gratuidades oferecidas pelo sistema teriam corroído as motivações e atravancado o crescimento.Renaud Lambert


MÉXICO

Nas montanhas do sul, justiça e a polícia dos de baixo

Em resposta à violência e à corrupção, indígenas de Guerrero implementam outra forma de coibir crimes e julgá-los, para além do Estado. Com a Polícia Comunitária, a delinquência teria diminuído, mas teria ficado ainda mais claro o comprometimento da Justiça com a corrupção e com os donos do poder.Júlio Delmanto


ESTADOS UNIDOS

A luta de classes no Winconsin

O movimento dos trabalhadores nos Estados Unidos renasce com força em meio ao processo de destruição dos sindicatos do setor público. Em Los Angeles, São Francisco, Denver, Chicago, Nova York e Boston, Milhares de pessoas foram às ruas manifestar o apoio aos insurgentes.Rick Fantasia


JAPÃO

O Estado abandonado.

Desde os anos 50 os japoneses estão sujeitos a uma ordem política que prega as virtudes do trabalho e da disciplina. Mas a incapacidade das autoridades de tomar decisões p/ informar, ajudar e tranquilizar pode pôr em xeque o sistema de identicação entre soberania popular e autoridade política pacientemente construído.Hana Jaber


ENERGIA NUCLEAR

Superfênix brasas sob as cinzas.

O maior super-reator do mundo teve 11 anos de vida. A história do Superfênix, símbolo do programa nuclear francês, está longe de ter acabado – no momento em que a França procura relançar o setor, técnicos e engenheiros trabalham na limpeza das instalações de Creys-Malville.Christine Bergé


ECONOMIA

Pacto para a zona do euro.

O inocente comunicado que o Eurogrupo divulgou em 11 de março talvez seja o texto mais agressivo que vimos em muito tempo. No curto prazo, o risco de deflagração de uma crise bancária que resultaria de um repúdio da dívida, ou de vários calotes simultâneos importantes, é seguramente real.Frédéric Lordon


LÍBIA

As armadilhas de uma guerra

Há vários meses as revoltas árabes estão embaralhando as cartas políticas, diplomáticas e ideológicas da região em sentido democrático. A repressão líbia estava ameaçando essa dinâmica. E a guerra ocidental autorizada pelas Nações Unidas acaba de introduzir nessa paisagem um dado cujas consequências são imprevisíveis.Serge Halimi


LÍBIA

A disputa pelo petróleo

Em agosto de 2004, a Libyan National Oil Company organizou a venda de 15 licenças de prospecção de petróleo em leilão.O evento atraiu uma multidão de interessados. 120 companhias manifestaram seu interesse, inclusive várias gigantes britânicas e dos EUA que haviam deixado a Líbia sem nunca terem sido nacionalizadas.Jean-Pierre Séréni


LÍBIA

As origens da Insurreição

A revolta líbia não nasceu espontaneamente. Ela foi preparada tanto pelas reformas do regime de Kadafi, dirigidas no sentido de centralizar cada vez mais o poder, quanto pelas corajosas iniciativas de militantes, que criticaram o governo apesar do altissimo risco de punições.Rachid Khechana


Líbia

Aurora da Odisseia

Neste momento, a ONU constitui a única fonte de legalidade internacional. Por isso, a intervenção atual na Líbia é legal, segundo o direito internacional; legítima, segundo os princípios de solidariedade humanitária;e desejável, para a fraternidade que une os povos na luta por liberdade.Ignacio Ramonet


MARROCOS

Mohamed VI e o clamor popular.

Dando sequência ao chamado do movimento do dia 20 de fevereiro, dezenas de milhares de marroquinos de tendências diversas continuam a expressar sua insatisfação, apesar das reformas anunciadas pelo rei no dia 9 de março. A população reivindica também a saída dos principais conselheiros e do primeiro-ministroIgnace Dalle


MUNDO ÁRABE

Por mais Estado, e menos poder

O que até agora era chamado, com desdém, de “a rua árabe” se transformou em “povo”, mesclando todas as classes sociais e todas as faixas etárias. Será essa uma nova “Primavera Árabe”, esperada há tanto tempo, desde a vitória sobre as forças coloniais britânicas e francesas?Samir Aita


MUNDO ÁRABE

Nas ruas, a volta do povo.

O que até agora era chamado, com desdém, de “a rua árabe” se transformou em “povo”, mesclando todas as classes sociais e todas as faixas etárias. Será essa uma nova “Primavera Árabe”, esperada há tanto tempo, desde a vitória sobre as forças coloniais britânicas e francesas?Georges Corm