Miscelânea — Resenhas

VÃO: TRENS, MARRETAS E OUTRAS HISTÓRIAS Jéssica Moreira, Patuá A escrita de Jéssica Moreira é visceral. No livro, seus poemas e crônicas sobre a rotina dos trens de São Paulo são intercalados por fotografias em preto e branco apresentadas nessa edição da Patuá. O projeto gráfico de Michele Gonçalves merece destaque, especialmente o índice, organizado …

por em

Tango e política

O tango, sem dúvida, é uma dança. E também uma música, um canto, uma poesia. Normalmente atribuímos sua origem, de maneira mais ou menos vaga, à Argentina. Entretanto, ao vermos casais desenhando no espaço uma espécie de coreografia do desejo sublimado, muito raramente nos perguntamos como ele nasceu e, menos ainda, se sua história tem …

por em

De repente, os Estados Unidos voltam a sorrir para a Venezuela

“É mais ou menos como em Star Wars, quando Darth Vader estrangula alguém. É o que fazemos com um regime no plano econômico.” As declarações de John Bolton no canal Univision, em 22 de março de 2019, quando ele era conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, tinham a intenção de explicar a estratégia do …

por em

No Egito, a modernização passa pelos faraós

Na rodovia El-Orouba, que liga o aeroporto do Cairo ao centro da cidade, enormes anúncios apresentam, um após o outro, não apenas as maravilhas da Coca-Cola e das agências imobiliárias, mas também as da Esfinge, das múmias milenares, da imponente figura de Tutancâmon e do marechal-presidente Abdel Fattah al-Sisi, em uma montagem com as pirâmides …

por em

O bom artista…

“Se a arte não tem pátria, os artistas a têm.” No início da Primeira Guerra Mundial, o francês Camille Saint-Saëns, compositor do Carnaval dos Animais (1886), foi taxativo: morto ou vivo, soldado de infantaria em ação ou glória dos séculos passados, o inimigo continua sendo o inimigo.1 Nada de neutralidade usando a arte como pretexto. …

por em

A panela russa

Quando colocamos uma panela de água fria no fogo, a princípio nada acontece. Ou melhor, nada parece acontecer. As moléculas aumentam de temperatura sem apresentar nenhuma reação, até atingirem 99 °C. E então, de repente, tudo muda e bolhas aparecem: apenas um grau a mais leva a uma mudança de natureza. O mundo acaba de experimentar …

por em

Cortina sombria

As guerras nunca são propícias à livre circulação das informações (ver pág. 20). Por ocasião da invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro, o poder russo acabou de dar um exemplo especialmente grave. Emenda ao código penal adotada em 4 de março determina que um cidadão está sujeito a três anos de prisão se ousar …

por em

O rearmamento alemão

“A Bundeswehr, a Força Armada que dirijo, está mais ou menos sem recursos […]. Eu estou furioso!”: a mensagem postada na rede LinkedIn pelo general Alfons Mais, algumas horas depois da invasão russa da Ucrânia, era inabitual, mas sem ambiguidade: “As opções que podemos oferecer aos políticos para apoiar a Otan são extremamente limitadas”. Isso …

por em

Neutralidade, uma arma pela paz

“A menos que o mundo desabe numa catástrofe, apenas um regulamento político poderia restabelecer a paz. […] O acordo teria por objeto estabelecer e garantir a neutralidade dos povos da Indochina e seu direito de dispor de si mesmos tais quais são efetivamente, e cada um sendo inteiramente responsável por seus próprios negócios.” Em seu …

por em

Equilibrismo geopolítico

Se os dirigentes chineses acharam que teriam algum descanso com os Estados Unidos focados na Europa, a acusação contra Pequim feita pelo conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, em 14 de março, foi um banho de água fria. Na véspera de seu encontro com o mais alto diplomata das Relações Exteriores da …

por em

Evento total, crise editorial

“Jornalistas, apresentadores, cronistas, repórteres, estejam no cenário da guerra ou em Paris, no coração da atualidade, todos unidos e solidários pela Ucrânia.” Esse anúncio da France Télévisions de 4 de março de 2022 resume a midiatização na França das duas primeiras semanas da guerra conduzida pela Rússia na Ucrânia. Não se trata mais de informar, …

por em

Quem são os falcões russos?

Em 26 de fevereiro de 2022, dia de seu 84º aniversário, o escritor russo Aleksandr Prokhanov deu uma entrevista ao vivo da cabine de um avião de ataque que sobrevoava a Ucrânia. Debaixo de seus olhos, seu sonho de reconstituir o império soviético tomava forma na violência: “Estou sobrevoando a terra negra ucraniana que os …

por em

Os dilemas da soberania

Imagem impressionante: em 10 de março de 2022, sexta-feira, na galeria das batalhas do Palácio de Versalhes, os presidentes do Conselho Europeu (o belga Charles Michel), da República francesa (Emmanuel Macron) e da Comissão Europeia (a alemã Ursula von der Leyen) prestam contas à imprensa sobre as decisões tomadas pelos 27 chefes de Estado e …

por em

Confusão total no mercado de petróleo e gás

Mirar na “principal artéria da economia” ao proibir as importações de petróleo, gás natural e outros produtos energéticos da Rússia: essa foi a estratégia adotada em 6 de março pelos Estados Unidos para punir Moscou depois da invasão militar da Ucrânia.1 “Não participaremos do financiamento da guerra de [Vladimir] Putin”, declarou o presidente Joe Biden …

por em

A ameaça de guerra nuclear

Todo mundo notou o tom da resposta: seco, para não dizer irritado. “Parem de história! Essa ideia de que vamos enviar [para a Ucrânia] equipamentos ofensivos, aviões e tanques… Digam o que disserem, seja quem for, isso seria a Terceira Guerra Mundial.”1 Em 11 de março de 2022, rejeitando vigorosamente as sugestões de políticos e …

por em

A ética miliciana e o espírito do capitalismo extrativista

“A voz do Esquadrão da Morte ao povo da Guanabara: muitos dos nossos já tombaram vítimas de assaltantes e criminosos sanguinários. O povo é testemunha que esses bandidos não respeitam crianças, velhos, senhoras e trabalhadores. Assaltam e matam sem nenhuma piedade. Nós trabalhamos apenas com uma intenção: defender a família que mora e trabalha neste …

por em

Racismo, segurança pública e bolsonarismo

A eleição de Jair Bolsonaro, em 2018, representou a vitória de um programa político de sucateamento dos serviços públicos, estímulo à violência e erosão das estruturas democráticas. Formado no submundo do fisiologismo autoritário de setores conservadores das forças de segurança, o projeto político liderado pelo atual presidente representou a consagração de um discurso miliciano sobre …

por em

Bolsonaro, entre a expectativa e a realidade

Há uma dissonância entre expectativa e realidade quando se discute a política de segurança pública do governo de Jair Bolsonaro. A expectativa de alguns setores da sociedade brasileira com a eleição do ex-capitão do Exército em 2018 concentrava-se sobretudo no combate à corrupção, reforçada pela indicação de Sergio Moro ao Ministério da Justiça e Segurança …

por em

A crise civilizatória e a mídia contra-hegemônica

Partimos da ética, de valores que foram consagrados como universais e construídos como um pacto para enfrentar a barbárie que a humanidade vivenciou ao longo da Segunda Guerra Mundial. Os direitos humanos são normas que os 193 países que integram as Nações Unidas assumiram para reconhecer e proteger a dignidade de todos os seres humanos. …

por em

Uma eleição espinhosa

Mesmo que várias reviravoltas tenham ocorrido nos últimos cinco anos e que a política do presidente francês, Emmanuel Macron, não possa se orgulhar de nenhum sucesso real, sua reeleição parece o cenário mais provável: a extrema direita, mais forte que nunca (cerca de 30%), está dividida entre dois candidatos, ambos com pouca probabilidade de derrotar …

por em