Os gigantes brigam na internet

É fato que as tecnologias ligadas à Internet levam a uma concentração aguda. Na mídia, “o efeito rede” – em que o valor de uma rede aumenta proporcionalmente à quantidade de conexões que permite – tende a favorecer de modo descomunal quem está no topo1. Uma diferença de alguns pontos no índice de acessos se …

por em

A conspiração do silêncio

Em junho de 2007, Gregory Hartl, porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmou que as atas da Conferência Internacional das Nações Unidas sobre a catástrofe de Chernobyl, realizada entre 20 e 23 de novembro de 1995, tinham sido publicadas. Nunca foram. Os resultados da Conferência de Kiev, de 2001, também não vieram a público. …

por em

A sociedade já tem como controlar

Câmara Municipal de São Paulo aprovou, em 19 de fevereiro, uma lei que poderá se transformar em um novo marco de gestão e de relação de poder local. Seu conteúdo é simples, porém inédito em matéria de administração pública no Brasil: estabelece, para o prefeito eleito, a obrigatoriedade de publicar em até 90 dias após …

por em

Juventude fora de controle

Desde o final da década de 1990, a “crise de autoridade” tem servido de lugar-comum para explicar os problemas da violência e da delinqüência da sociedade francesa. Tornou-se até um dos assuntos prediletos do presidente Nicolas Sarkozy, que em janeiro de 2007 comentou suas impressões: “Abaixo a autoridade!’ Esse era o lema de 1968. Isso …

por em

Migração sem escolha

Eu estava perto do posto da alfândega com meus colegas, fazendo a contagem das pessoas que atravessavam a fronteira e avaliando quais eram suas necessidades imediatas”. O depoimento é de William Spindler, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (UNHCR). Em 1994, quando cerca de 800 mil pessoas da etnia tutsi foram …

por em

O fato novo

Ele é negro – como Martin Luther King e Malcolm X. Chama-se Hussein – como Saddam Hussein. Também responde pelo nome de Obama – que é quase Osama. É filho de pai queniano – daquela África que os ideólogos do neoliberalismo já declararam ser o continente perdido. Nasceu no Havaí – que só com muito …

por em

Progressistas na linha de fogo

Cidade de Baggao, província de Cagayan, ao norte da ilha de Luzon. Em 11 de novembro de 2006, Joey Javier participou da reunião da organização camponesa Kagimungan, da qual era o presidente. “Sua intervenção foi muito boa aquela noite. Porém, logo depois, seu triciclo atolou na ponte. Foi nesse momento que dois homens se aproximaram …

por em

O fenômeno Obama

Barack Hussein Obama era o “fenômeno Osama” quando roubou a cena com seu discurso na convenção nacional democrata de 2004. Eleito depois senador, hoje, por sua formação singular, por sua história de vida, pelo conhecimento dos problemas do país, pelas viagens internacionais, reúne as credenciais necessárias para mudar os rumos impostos à maior potência do …

por em

Dogmas ambientais

“Ambientalismo empresarial”, artigo que publiquei na terceira edição de Le Monde Diplomatique Brasil, em outubro, recebeu crítica de Bruno Milanez no número 5, de dezembro. O texto contém quatro observações básicas. Primeiro, ele se insurge contra a equipe do jornal por ter publicado o artigo que “carece do olhar crítico que caracteriza o periódico”. Em …

por em

Democracia “simplificada”

Em 1º de janeiro de 2009, alguns dos 27 Estados membros da União Européia (UE) correrão o risco de se verem dotados de instituições rejeitadas por seus povos. O Tratado de Lisboa, assinado em dezembro passado pelos chefes de Estado ou de governo, deverá então ser ratificado por todos os países membros da UE. A …

por em

Sarkozy-Bonaparte

Mais vale questionar a natureza de uma força política antes das eleições. Mas a maioria dos comentaristas esperou até os dias seguintes ao pleito presidencial de maio de 2007 para tratar do “sarkozismo”. A imprensa estrangeira acreditou ver nele um novo Napoleão e até lembrou o célebre quadro em que o general aparece na ponte …

por em

Os EUA conseguirão sair do atoleiro?

Enquanto o inimigo ainda oferecia perigo e havia trabalho a fazer, a mobilização americana e iraquiana obteve resultados que poucos teriam imaginado. [Aplausos] Quando nos encontramos no ano passado, muitos pensavam que seria impossível conter a violência. Um ano depois, os ataques terroristas de grande porte, as mortes civis e os massacres sectários diminuíram. (…) …

por em

Falar o árabe

Como falar e escrever o árabe? A questão é particularmente intrincada por depender de fatores ideológicos que não têm nada a ver com a vivência mesma da língua pelos locutores autóctones. Não sei de onde vem a concepção de que o árabe exprimiria uma violência aterradora e incompreensível, mas é evidente que todos aqueles malfeitores …

por em

A nova estratégia do Opus Dei

Camino 999… Não há o que discutir, o título é eficiente. Jean-Jacques Reboux, fundador e diretor da editora Après la Lune, não esconde sua satisfação, quase um ano após o lançamento do livro 1. “Estávamos tentando imaginar um título para o romance e este surgiu de repente”, diz. “Camino 999 faz referência direta ao mais …

por em

Pesadelo vertical

Nascida no final do século XIX, a torre é um objeto arquitetônico que resulta da combinação de uma técnica construtiva (a estrutura metálica), de equipamentos como o elevador e o telefone, e, principalmente, da inacreditável riqueza de algumas firmas, que construíram para si prédios emblemáticos, despertando todos os ciúmes. O primeiro imóvel de grande altura …

por em

Infra-estrutura a serviço do grande capital

Quem reduz o cenário político da América do Sul ao contraste entre um pólo esquerdista (Venezuela, Bolívia e Equador) e um conservador (Colômbia, Peru, Paraguai), separados por uma zona cinzenta de posições intermediárias (Brasil, Argentina, Chile, Uruguai), deveria rever esse mapa ideológico simplista, comum à maioria das análises, a partir do avanço silencioso de uma …

por em

Banco do Sul: libertação ou ilusão?

A criação do Banco do Sul tocou fundo nos nervos já bastante sensíveis de muitos atores regionais e globais. Alguns políticos e comentaristas vêem a instituição, encabeçada por Argentina, Bolívia, Brasil, Equador, Paraguai e Venezuela, como uma ferramenta para as nações latinas se libertarem dos organismos financeiros internacionais e promoverem a integração e o desenvolvimento. …

por em

Energia: Responsabilidade compartilhada

Projeções sobre o aumento da demanda de energia elétrica no mundo até 2030 apontam para a necessidade de uma ampliação substancial da capacidade de geração instalada nos cinco continentes 1. E o aumento do preço do petróleo tem feito muitos países a elevarem a importância do gás natural e da energia nuclear, além de reforçar …

por em

De vendaval a furacão

A gravidade da crise fica patente  quando notícias normalmente tidas como boas passam a ser interpretadas de uma hora para outra como ruins. O Fed (Federal Reserve, o banco central norte-americano) reduz sucessivamente a taxa de juros? Nunca é o bastante. Anuncia, em 12 de dezembro último, de comum acordo com outros grandes bancos centrais, …

por em

Eu, mulher

“A fêmea é fêmea em virtude de certa falta de qualidade. A mulher é mais vulnerável à piedade, chora com maior facilidade, é mais chegada à inveja, à lamúria e à injúria. Facilmente se deixa abater pelo desespero. É menos digna de confiança.” Aristóteles E por que será que eu, pobre, preta, favelada, nascida na …

por em

Aborto: entre o hospital e a clandestinidade

Quando as mulheres queimaram seus sutiãs nas históricas manifestações do final dos anos 1960, as sociedades mais desenvolvidas conquistaram o direito ao aborto. Quatro décadas depois, porém, esta ainda é uma frágil conquista. Apesar de a liberalização ter avançado na maior parte da Europa, as condições concretas de atendimento pelos serviços públicos de saúde e …

por em