Abril 2022

Edição 177

R$ 24,00Comprar

FRANÇA

Uma eleição espinhosa

Edição 177 | França

EDITORIAL

A crise civilizatória e a mídia contra-hegemônica

Edição 177 | Mundo

MUITO DISCURSO E POUCAS REALIZAÇÕES NO CAMPO DA SEGURANÇA PÚBLICA

Bolsonaro, entre a expectativa e a realidade

Edição 177 | Brasil

Policiais seguem matando e morrendo aos montes, ano a ano, sem que nada seja feito para inverter a lógica de confronto. As principais vítimas continuam sendo os jovens negros e de periferia, e nada está sendo feito para reverter esse quadro. Nossas expectativas em geral, assim como ocorreu com muitos eleitores de Bolsonaro, nunca estiveram tão distantes da realidade como agora


NATURALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA RACIAL

Racismo, segurança pública e bolsonarismo

Edição 177 | Brasil

O esvaziamento do principal órgão de combate à tortura, o não cumprimento de compromissos assumidos pelo Brasil com acordos internacionais, o desmonte das políticas de direitos humanos e igualdade racial e o estímulo ao armamento da população somam-se à omissão do sistema de justiça em relação a quadros sistemáticos de violência e violação de direitos


A IMPOSIÇÃO DE UMA ORDEM SOCIAL VIOLENTA

A ética miliciana e o espírito do capitalismo extrativista

Edição 177 | Brasil

Alianças promíscuas entre setores políticos, militares e judiciários com grupos armados apontam para o butim dos escombros do Estado e da economia brasileira, mobilizam uma ética relacionada ao elogio do uso da força não pactuada para a resolução de conflitos e atuam violentamente para aumentar seus recursos políticos e econômicos


DOSSIÊ: UCRÂNIA, A ENGRENAGEM

A ameaça de guerra nuclear

Edição 177 | Ucrânia

Ao anunciar que colocaria seu sistema de dissuasão em alerta, Vladimir Putin forçou o conjunto dos Estados-Maiores a atualizar suas doutrinas, em geral herdadas da Guerra Fria. A certeza de aniquilação mútua não basta para excluir a possibilidade de ataques nucleares táticos, alegadamente limitados – sob o risco de um desenrolar descontrolado


PRINCIPAL ARTÉRIA DA ECONOMIA RUSSA

Confusão total no mercado de petróleo e gás

Edição 177 | Russia

Abrir mão dos hidrocarbonetos russos é um objetivo mais tranquilo de alcançar para os Estados Unidos do que para a Europa. Por outro lado, relutantes em se distanciarem de Moscou, muitos países exportadores de petróleo e gás evitam ocupar o espaço deixado pela Rússia


EUROPA

Os dilemas da soberania

Edição 177 | Europa

A “bússola estratégica” da qual são dotados os 27 países-membros da União Europeia fixa desde o dia 21 de março os objetivos de segurança e os meios para alcançá-los. Entretanto, longe de afirmarem a “soberania europeia” cara a Emmanuel Macron, essas diretrizes procuram complementar a Otan sem contradizer suas prioridades


CONFRONTO MILITAR E CIVILIZACIONAL COM O OCIDENTE

Quem são os falcões russos?

Edição 177 | Russia

A invasão da Ucrânia por Moscou marca a vitória de uma corrente de pensamento que, desde a queda da União Soviética, defende um confronto militar e civilizacional com o Ocidente. Se a ideologia explica apenas parcialmente uma decisão cujas razões são geopolíticas e militares, a influência crescente desses “falcões” russos contribuiu para desencadear a guerra


INFORMAR NÃO, MOBILIZAR

Evento total, crise editorial

Edição 177 | Ucrânia

Já esgotados pela pressão do cronômetro e da audiência, os procedimentos de seleção e de verificação afrouxaram. Imagens e testemunhos próprios para provocar emoção (refugiados, crianças chorando) formam o grosso de uma produção jornalística à qual os envolvidos são chamados a “reagir”


NA ÁSIA, UMA ORDEM DISPERSA

Equilibrismo geopolítico

Edição 177 | Ásia

Após um tempo paralisada pelo que chamou, assim como a Rússia, de “operação militar especial” na Ucrânia, a China ressurgiu. Até para agradar a seu “amigo Putin”, o presidente Xi Jinping não pretende abrir mão de sua ambição de modificar a “arquitetura de segurança e governança” do planeta


AUTONOMIA E COEXISTÊNCIA PACÍFICA

Neutralidade, uma arma pela paz

Edição 177 | Ucrânia

Cientes de que os ocidentais não vão intervir diretamente em seu território, os dirigentes ucranianos poderiam renunciar a integrar a Otan para pôr fim aos combates. Agora no centro das negociações, o status de país neutro pode parecer precário, mas permite uma maior autonomia de decisão, ao mesmo tempo que favorece a coexistência pacífica


MOTIVO DE APLAUSOS?

O rearmamento alemão

Edição 177 | Alemanha

O grande aumento orçamentário recentemente anunciado poderia impulsionar a Bundeswehr ao posto de principal exército da Europa e, em todo caso, da União Europeia, à frente da França, dotando-a de capacidades ofensivas inéditas


KREMLIN BLOQUEIA A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

Cortina sombria

Edição 177 | Russia

O conflito na Ucrânia acelera uma degradação iniciada na primavera de 2021, por ocasião dos protestos favoráveis ao opositor Alexei Navalny. Com a guerra contra Kiev, a pressão transformou-se em ameaça. Segundo a mídia online Agence, 150 jornalistas teriam deixado o país apenas dez dias após deflagrada a guerra


NOVAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A panela russa

Edição 177 | Russia

A invasão da Ucrânia é contrária ao direito internacional, e nada justifica os crimes de guerra cometidos ali. Mas poderíamos imaginar sair do conflito sem buscar suas raízes? Convencendo-nos de que “simplesmente” resulta de uma passagem repentina para o universo da demência?


BOICOTE CULTURAL

O bom artista…

Edição 177 | Russia

Solidariedade: é em seu nome que é oferecida, e cobrada, a recepção aos artistas ucranianos. Por outro lado, o banimento dos artistas russos e as condições necessárias para sua aplicação parecem ser justificados segundo esse mesmo princípio. O boicote, entretanto, possuiu muitos outros desafios para além da simples prática da fraternidade


OBELISCOS, MÚMIAS E SARCÓFAGOS, UM CAPITAL RENTÁVEL

No Egito, a modernização passa pelos faraós

Edição 177 | Egito

Por onde passa, o regime do presidente Abdel Fattah al-Sisi explora o prestigioso passado antigo de seu país, símbolo milenar de poder. Fonte importante de divisas, a valorização desse patrimônio permite também atenuar as críticas formuladas no exterior a respeito das violações de direitos humanos ocorridas recentemente no Egito


CINCO ANOS DE SANÇÕES QUEBRARAM, SEM ARMAS, O PAÍS DO PETRÓLEO

De repente, os Estados Unidos voltam a sorrir para a Venezuela

Edição 177 | Venezuela

Preocupada em garantir o fornecimento de petróleo durante a guerra na Ucrânia, a Casa Branca enviou no início de março uma equipe a Caracas, cujas autoridades Washington nem sequer conhecia. Após semearem o caos no país por meio de sanções, os Estados Unidos estimam que talvez a Venezuela tenha mudado suficientemente a ponto de lhes ser novamente útil


DANÇA

Tango e política

Edição 177 | Argentina

De Carlos Gardel a Astor Piazzolla, da versão “clássica” à sua reinvenção, uns mais, outros menos, todos conhecem o tango. Apesar de o identificarmos em geral como sexy e dramático, codificado e estilizado, sabemos que essa música que dança, popular em todos os sentidos do termo, tem um passado intricado com a história política da Argentina


RESENHAS

Miscelânea — Resenhas

Edição 177 | Brasil