O império contra-ataca

Como entender a reativação, no final de abril, da IV Frota dos Estados Unidos, voltada para operações navais na América Latina1? Ela será capitaneada por uma das mais formidáveis máquinas bélicas da atualidade: um porta-aviões nuclear da classe Nimitz, com capacidade para carregar 90 aviões. E o acompanham dez outras belonaves: destróieres, submarinos nucleares e …

por em

Brasília se afasta de Washington

Em 2004, um ano depois dos “ataques preventivos” dos Estados Unidos contra o Iraque e quatro anos antes da ofensiva colombiana no Equador, o Estado-Maior do Exército brasileiro enviou um grupo de oficiais ao Vietnã para aprender as técnicas de guerra de guerrilhas com que o Vietcong derrotou as tropas americanas três décadas atrás1. Objetivo: …

por em

Globalização e território

A palavra globalização é um neologismo: só aparece na literatura na década de 1980. Mas, como demonstra François Chesnais, a globalização é uma etapa específica, muito avançada, do velho processo de internacionalização do capital. E o processo de internacionalização é um dos movimentos estruturais e estruturantes do capitalismo. Na intensidade e na extensão com as …

por em

A cultura é a saída

Meu caro Danilo Santos de Miranda, Foi com estupefação que acabei de saber que o Sesc corre o risco de ser privado de 33% de seus fundos, em benefício de uma educação estritamente técnica e profissional. Ora, nós sabemos que uma competência geral do espírito, formada por uma cultura humanista, permite um melhor desenvolvimento das …

por em

Os subterrâneos da ilegalidade

Na França, a passeata de 1º de maio mostrou neste ano uma face inédita. Agitando faixas de diversas organizações, cerca de 5 mil trabalhadores “sem-documentos” dominaram o desfile. Malineses, senegaleses, marfineses… Até então, tínhamos o hábito de ver esses rostos negros da África em reuniões reservadas aos estrangeiros que vivem em nosso país. Mas eis …

por em

Desafios dos assentamentos

“Os assentamentos não são feitos para funcionar.” Essa frase poderia ter saído da boca de algum latifundiário que teve sua fazenda ocupada por sem-terras. Ou, talvez, de um político conservador do interior do Brasil. Mas, surpreendentemente, ela é de um integrante do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). A viabilidade das áreas de reforma …

por em

Rumo a uma “democracia maoísta”

Ventos de mudança sopram na cordilheira do Himalaia. Não para os lados do Tibete, apesar de todos os olhos do mundo parecerem voltados para lá agora, mas para seu vizinho Nepal. No dia 10 de abril passado, esse pequeno país asiático, extremamente pobre, elegeu uma Assembléia Constituinte com a expectativa de resolver o impasse político …

por em

A quem pertence o código?

DNA. Três letras para designar uma substância inquietante, misteriosa e quase imaterial que, contudo, está em cada uma das mais de cem trilhões de células do nosso organismos. Sem dúvida, trata-se de algo real, dotado de uma massa – cerca de 200 gramas – e de uma forma – a famosa dupla-hélice. É dessa concretude …

por em

A Ucrânia bate à porta

Posto fronteiriço de Shegynij, manhã de sábado. Um longo corredor cercado por um alambrado a céu aberto serpenteia em direção à alfândega polonesa. Estamos em 21 de dezembro de 2007. É um dia cinza e frio e o local está quase deserto. Há um mês, entretanto, reinava ali uma grande agitação: munidos de um simples …

por em

O que esperamos de um bom prefeito

Em outubro deste ano a população irá escolher os prefeitos e prefeitas em todos os 5.562 municípios do Brasil. Neste momento, os partidos políticos estão escolhendo os candidatos, e eles ou elas estão se decidindo também. Boa hora para este debate proposto por Le Monde Diplomatique. De um bom prefeito (vamos tratar a palavra no …

por em

O “Polígono da Maconha”

Da Colônia até as primeiras décadas da República, a região do submédio São Francisco poderia ser chamada de “Polígono das Secas”. Modificada por políticas públicas nos anos 1940, e principalmente a partir de 1970, com a intervenção de grandes projetos hidrelétricos, tornou-se a “Mancha Irrigada”. Mas, ao contrário do que se poderia esperar, o desenvolvimento …

por em

Ainda cidadãs de segunda classe

Em março de 2007, a polonesa Alicja Tysiac conseguiu fazer com que seu país fosse condenado diante da Corte Européia dos Direitos Humanos (CEDH)1. Certamente, sua história teve alguma repercussão: mãe de dois filhos, que criou sozinha, ela quis interromper sua terceira gravidez porque corria o risco de perder definitivamente a visão. A prática, proibida …

por em

A aventura humana

Os espelhos estão cheios de gente. Os invisíveis nos vêem. Os esquecidos nos lembram. Quando nos vemos, os vemos. Quando nos vamos, eles se vão?   Este livro foi escrito para que não partam. Nestas páginas unem-se o passado e o presente. Renascem os mortos, os anônimos têm nome: os homens que ergueram os palácios …

por em

O Holocausto e as raízes do mal

Longe de refletir sobre o problema do mal, a maioria dos ocidentais desviou decididamente sua atenção desse tema nos anos que seguiram o término da Segunda Guerra Mundial. Isso nos parece difícil de compreender hoje, mas a verdade é que, durante bastante tempo, a shoah1 – o genocídio dos judeus europeus – não foi uma …

por em

“Precisamos plantar a semente da mudança”

Há 20 anos, a paraibana Luiza Erundina foi eleita prefeita de São Paulo. Essa militante política sui generis, que iniciou sua atuação nas ligas camponesas, imprimiu ao mandato as marcas da honradez e do compromisso com as grandes reivindicações sociais. O tempo passou. A população cresceu. E a gigantesca megalópole se encontra hoje à beira …

por em

Desenvolvimento e meio ambiente

A saída de Marina Silva do Ministério do Meio Ambiente constituiu um episódio dramático da mais importante batalha travada atualmente no país. Falamos do confronto entre dois modelos de desenvolvimento: aquele que não reconhece outra lógica que não seja a da acelerada realização e acumulação do capital; e aquele que, para além da retórica e …

por em

Genômica personalizada: utilidade duvidosa

Em sua edição de final de ano, na qual tradicionalmente costuma apresentar um apanhado das descobertas científicas mais notáveis que surgiram ao longo dos meses recentes, a revista semanal americana Science destacou como matéria de capa a questão das “variações genéticas humanas” [1]. Após áridos anos de pesquisas, financiadas por investimentos colossais, um número importante …

por em

Igualdade: o dinheiro é o limite

Pela primeira vez na história dos Estados Unidos, um negro tem chances reais de chegar à presidência da República. E como não podia deixar de ser, a discussão racial é um dos pontos mais presentes da campanha de Barack Obama. Dois momentos foram particularmente decisivos para o pré-candidato democrata. Um deles ocorreu na noite de …

por em

A assimilação do preconceito

Já perdeu-se a conta dos comentários que surgiram como reação à entrada no governo francês de Rachida Dati, Rama Yade e Fadela Amara [1]. Quase todos diziam que era a “primeira vez” que a parcela da população “nascida da diversidade” chegava ao poder. Realmente, é preciso uma memória coletiva muito fraca para esquecer que o primeiro …

por em