Miscelânea

O ESPÍRITO DOS MEUS PAIS CONTINUA A SUBIR NA CHUVA Patricio Pron, Todavia O romance do argentino Patricio Pron pertence a um conjunto de obras relacionadas à última ditadura militar de seu país, entre 1976 e 1983. Com base em suas experiências e/ou na leitura que fizeram sobre as vivências de seus pais e familiares, …

por em

A extinção judicial do Escola sem Partido

Antes tarde do que nunca. O STF decidiu dar fim a uma das mais danosas farsas jurídicas da atualidade: as legislações antigênero na educação, que proliferam no Brasil desde 2014. Disseminadas por movimentos reacionários e grupos fundamentalistas junto aos Legislativos, essas normas e os debates parlamentares que as antecedem dão suporte institucional à cruzada antigênero …

por em

O lado vergonhoso do “metal azul”

A indústria mundial corre o risco de ficar sem cobalto num futuro próximo? Ultimamente, seu pequeno mercado – 136 mil toneladas produzidas em 20191 – ficou no centro de todas as atenções por causa do aumento dos preços, motivado pelo medo de escassez. Utilizado há muito em equipamentos médicos de imagem e radioterapia, o “metal …

por em

Uma aldeia chinesa na Itália

As grandes mídias de Pequim fizeram a festa com os elogios proferidos pelo prefeito de Prato (Toscana), Matteo Biffoni, a propósito dos residentes chineses de sua cidade. “Quando a epidemia foi declarada na China, os jornais e cadeias de televisão [italianos] estavam convencidos de que Prato se tornaria o buraco negro da Itália. Na verdade, …

por em

As duas faces da censura

Em 12 de novembro de 2018 ocorreu, no grande salão de conferências da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris, o Fórum de Governança da Internet. Muito entusiasmado, Emmanuel Macron avançou para o painel. Decidido a manter firmemente o papel de defensor da democracia liberal contra os …

por em

A voracidade do Exército egípcio

Em uma propaganda de televisão, soldados de infantaria egípcios de macacão cáqui pulverizam o asfalto com desinfetante. Com uma trilha sonora digna de filme B, distribuem máscaras para uma multidão disciplinada que se dirige com pressa para o metrô do Cairo, enquanto drones sobrevoam um dos quatro hospitais de campanha do país. O audiovisual também …

por em

Enganos a respeito da dívida dos países pobres

Em 13 de abril de 2020, Emmanuel Macron chamou a atenção do mundo inteiro ao pedir a “anulação maciça” da dívida africana para apoiar o continente diante da pandemia de Covid-19. De 2010 a 2018, essa dívida dobrou, alcançando US$ 195 bilhões (ver boxe). Horas depois, o G20 desautorizou o presidente, decretando apenas uma suspensão …

por em

Após a pandemia, o despertar da África?

Nas últimas três décadas, o mundo alarmou-se algumas vezes diante de uma pandemia: Sars, H1N1, Ebola. E, no fim, as inquietudes sempre excederam a ameaça. Sem dúvida, isso contribuiu para subestimarmos de início o perigo do novo coronavírus Sars-Cov 2. Talvez não seja tão mortal quanto a gripe espanhola de 1918, mas seu impacto econômico …

por em

Sob a proteção de um jaleco

Transformar um país em uma prisão a céu aberto, sem provocar revolta, é sem dúvida uma façanha, tendo em vista que contra esse processo já se esboça um vigoroso movimento social. No entanto, vários dirigentes fizeram isso por ocasião da pandemia de Covid-19. Em alguns países, o poder recorreu à força; na França, ele se …

por em

Bolívia: na estrada com a elite de Santa Cruz

Chegar a Santa Cruz de la Sierra é uma experiência estonteante. No aeroporto, cruzamos com homens de terno, famílias menonitas ruivas, mulheres que parecem ser obrigadas pelos costumes locais a passar – quando se atinge determinado padrão de vida – pelo bisturi do cirurgião plástico e taxistas sempre procurando clientes (estes geralmente de pele mais …

por em

“Não posso parar de trabalhar”: a exposição ao vírus e o avanço da fome

Entre o final de fevereiro e o início de março, uma sequência de fatos evidenciou que o novo coronavírus (Covid-19) não apenas chegaria ao Brasil, como também exigiria que nossa sociedade praticasse o distanciamento social. Em 11 de março, a Organização Mundial da Saúde passou a descrever a situação como uma pandemia e, com a …

por em

A cavalgada autoritária de Bolsonaro

Em 31 de maio, o ex-capitão paraquedista Jair Bolsonaro, eleito presidente do Brasil dezenove meses antes,1 saiu de seu palácio presidencial a fim de se juntar a um grupo que reclamava a intervenção dos militares para derrubar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF), a mais alta instância judiciária do país. Era a quarta …

por em

Um país crivado por homicídios policiais

Na história política norte-americana, Minnesota é uma exceção: foi o único estado a votar contra Ronald Reagan em 1984. A última vez que seus eleitores escolheram um candidato republicano à presidência remonta a 1972, há quase cinquenta anos. Ao longo de gerações, esse santuário da esquerda enviou ao Congresso Hubert Humphrey, Walter Mondale e Ilhan …

por em

A desconfiança dos cidadãos em relação à polícia

As imagens da agonia de George Floyd, sufocado por um policial de Minneapolis sob o olhar impassível de seus colegas, provocaram uma onda de protestos de amplitude incomum nos Estados Unidos. Centenas de milhares de pessoas foram às ruas para denunciar com veemência, às vezes com violência, o tratamento discriminatório dado pela polícia às minorias. …

por em

Comunicação e racismo estrutural

Sabemos que, no Brasil, a população negra “teve o pior ponto de partida para a integração ao regime social que se formou ao longo da desagregação da ordem social escravocrata”1 e que essa integração, absolutamente marginalizante, estruturou a própria organização capitalista, produzindo desigualdades socioeconômicas que se sobrepuseram às diferenças de raça (conceito aqui operacionalizado do …

por em

“Falando da perda: hoje estou mal, espero que você entenda”

Esse é o título de um artigo da escritora, cineasta e jornalista norte-americana Bridgett M. Davis, publicado originalmente em 1994. Um relato íntimo sobre as múltiplas perdas que envolvem a experiência de ser negro numa sociedade racista. A hiperexposição à morte, a impossibilidade de viver plenamente os processos de luto e a gravidade dos efeitos …

por em

“O racismo é uma realidade violenta”

Ao escrever sobre racismo e violência no Brasil, sempre tenho algumas dificuldades em iniciar o texto. Não porque a realidade brasileira não seja vasta em ambas as temáticas, mas pela impossibilidade que vejo ao separá-las quando pensamos o país em que vivemos. Em Memórias da plantação: episódios do racismo cotidiano, a escritora e multiartista Grada …

por em

A pandemia e a pena de morte nas prisões brasileiras

As prisões são o lugar onde as violências e desigualdades sociais revelam sua mais brutal expressão. No Brasil, trata-se de celas lotadas e sem ventilação, instalações elétricas com remendos e potencialmente perigosas, comida racionada e de péssima qualidade, muitas vezes estragada, água escassa para o banho, para a limpeza das celas e mesmo para beber. …

por em

Enquanto houver racismo, não haverá democracia

Quando o joelho de um policial branco norte-americano sufocou e matou George Floyd, muitos de nós por aqui pudemos sentir o peso daquele corpo sobre o pescoço e também os últimos suspiros deste, agora símbolo contemporâneo eterno contra a brutalidade racial e do combate ao racismo. No Brasil, conhecemos bem o significado da violência policial …

por em

A hora é agora!

Aqueles que enfrentaram a ditadura, e a derrotaram em 1985, nos asseguraram o novo período democrático, que chegou a 2015. Suas mobilizações e lutas nos garantiram trinta anos com liberdade de pensamento, de expressão, uma nova Constituição, novos partidos, um novo pacto social, eleições. Uma democracia imperfeita, que não enfrentou a desigualdade, o racismo, o …

por em

Você disse “sistêmico”?

As multinacionais norte-americanas recorrem frequentemente à filantropia para mascarar os crimes que as enriqueceram. Desde maio, estão entregando centenas de milhões de dólares a diversas associações afro-americanas, entre as quais a Black Lives Matter. Essas liberalidades para com uma estrutura militante que combate o “racismo sistêmico” lembram um pouco os pagamentos de apólices de seguro. …

por em