Miscelânea

GOVERNO DE MORTES: UMA ETNOGRAFIA DA GESTÃO DE POPULAÇÕES DE FAVELAS NO RIO DE JANEIRO Juliana Farias, Papéis Selvagens A obra de Juliana Farias é um passo determinante das pesquisas sobre violência de Estado no Brasil. As duas principais características desse avanço se dão pelo estatuto metodológico dado ao “objeto” de sua pesquisa e, por …

por em

“Tem que trabalhar, senhora”

No fim dos anos 2000, Bouha Bechri, que mora no Alto Loire, perto de Puy-en-Velay, se separou do marido. Com quase 50 anos, marroquina, viera para a França a fim de se juntar ao marido e fora sempre dona de casa. Vítima de violência doméstica, “salvou-se da morte fugindo”, como se lembra uma de suas …

por em

No Equador, o banqueiro, o iogue e a esperança

A última campanha presidencial equatoriana foi marcada por um projeto: a continuidade do mandato de Rafael Correa, prometida por Lenín Moreno – antes de trair, um por um, seus compromissos.1 Quatro anos depois, todos os candidatos ao cargo supremo são unânimes num ponto: é preciso romper com o atual presidente, que não vai se candidatar. …

por em

Como o chimarrão argentino resiste à Covid-19

No século XVI, após terem fundado Buenos Aires, futura sede do vice-reinado do Río de la Plata, os conquistadores espanhóis, ávidos por riquezas, continuaram sua expedição nas águas verdes e turbulentas do Rio Paraná. Em vez de ouro e prata, ali encontraram os guarani, um povo ameríndio que saboreava uma bebida estranha, elaborada com uma …

por em

Na Índia, a maior greve do mundo

No final de novembro de 2020, centenas de milhares de camponeses instalaram-se às portas da capital indiana, Nova Déli, determinados a dobrar o governo. Não é a primeira vez que os agricultores ganham os holofotes da mídia e da política na Índia, seja por causa de tragédias como inúmeros suicídios, seja em razão do combate …

por em

Sangue e lágrimas nas luvas malaias

Kuala Lumpur, fim de 2019. Nessa noite, Selif S.1 janta em um pequeno restaurante de um bairro industrial da capital malaia. Ele nos confirma que o trabalho escravo é corrente na Malásia: “Todas as pessoas que conheço se endividaram por anos a fim de pagar os agentes de recrutamento que lhes arrumam emprego”. E, para …

por em

Praça Tahrir, um símbolo sitiado

Todas as vezes que Nader Fahmi1 cruza a Praça Tahrir, no centro do Cairo, seu coração acelera. O motivo não é nem a emoção nem a nostalgia da revolução de 2011 e seu fervor, mas o medo. “Se a polícia me para e pede que eu desbloqueie meu celular, posso ser preso”, sussurra o ativista …

por em

Após os anos de “desordem”, o governo egípcio procura recuperar a influência

No dia 3 de março, os serviços de segurança egípcios terão um motivo especial para impedir os protestos contra o governo do marechal-presidente Abdel Fattah al-Sisi. Nessa data, três anos terão se passado desde que o Supremo Tribunal Constitucional ratificou definitivamente a entrega das ilhotas de Tiran e Sanafir à Arábia Saudita. Decidida em 2016 …

por em

Pequenas poupanças arruinadas na Ucrânia

“Onde foi parar nosso dinheiro? Onde?” O desespero na voz de Maria Klimenkova, de 65 anos, é palpável. Essa contadora aposentada faz parte dos 160 mil cidadãos ucranianos, em sua maioria de classe média alta, cujas economias se volatilizaram durante a limpeza do sistema bancário feita entre 2014 e 2017 pelo Banco Nacional da Ucrânia …

por em

A Escócia sonha com a independência

Se a Covid-19 não interromper o calendário eleitoral, em 6 de maio de 2021 a Escócia se encontrará no centro das atenções do drama constitucional sem fim que o Reino Unido tem oferecido ao mundo nos últimos anos. O roteiro já está escrito: apesar da pandemia, a sexta eleição geral escocesa será disputada, ainda mais …

por em

O enigma do La Coubre

Na sexta-feira, 4 de março de 1960, por volta das 9h30, o cargueiro francês La Coubre atraca no cais de Havana. A bordo, cargas embarcadas nos portos de Hamburgo, Antuérpia e Le Havre com destino aos Estados Unidos, México e Haiti. Jean Le Fèvre é o imediato. Ele testemunha: quando autorizados a subir a bordo, …

por em

A corrida infernal dos pequenos produtores do campo

Em um prédio gigantesco de 5 mil metros quadrados, centenas de vacas que nunca pisarão em um pasto vagueiam sob grandes ventiladores umidificadores que giram silenciosamente. Em intervalos regulares, pequenos vagões percorrem a fazenda em seus trilhos, movendo-se de um silo de armazenamento a outro, misturando os alimentos e distribuindo ração. No estábulo, rebatizado de …

por em

Paranoias norte-americanas

A era Trump terminou numa apoteose de egoísmo, incompetência e violência. O presidente bilionário guardou o pior para o fim. Após perder a eleição de 3 de novembro de 2020, recusou-se a aceitar a derrota e atulhou os tribunais com dezenas de recursos – todos rejeitados até por juízes que ele havia nomeado –, alegando …

por em

A unidade em torno da política social neoliberal e regressiva de Paulo Guedes

É uma tarefa complexa analisar o comportamento político da classe dominante no governo Bolsonaro. Temos de encontrar os conceitos com os quais devemos proceder essa análise, verificar a forma adequada de mobilizá-los e buscar informações empíricas confiáveis e suficientes. Em primeiro lugar, é preciso saber se devemos falar em classe ou em classes dominantes. Dado …

por em

A frente neocolonial

O bolsonarismo é um fenômeno de múltiplas dimensões. Alguns autores procuram na teoria política semelhanças com outros fenômenos políticos, como o bonapartismo (Ricupero, 2019). Outros preferem buscar na psicanálise ou na psicologia de massas algumas referências para pensar o papel de Bolsonaro na política nacional (Souza, 2018). O que parece claro, no entanto, é que …

por em

As classes dominantes e o governo Bolsonaro

A natureza e a resiliência do governo Bolsonaro, bem como sua relação com as distintas frações da burguesia e outros segmentos sociais do “andar de baixo”, foram tratadas por mim em inúmeros artigos escritos entre 2018 e 2020.1 Resgatando as principais ideias e teses neles contidas, podemos resumi-las da seguinte forma: 1) Bolsonaro é expressão …

por em

Rumo ao Quinto Mundo?

Ainda não chegamos ao fundo do poço. Ou seja, a situação ainda pode piorar, e muito! A epidemia de Covid-19 vai cobrar muitas mais vidas, inclusive dos mais ricos, com o colapso na área de saúde vivido por Manaus se repetindo em outras cidades importantes do país. A fome está batendo à porta dos mais …

por em

“Calem a boca!”

Em 9 de janeiro de 2021, onze dias antes do fim do mandato de Donald Trump e quando até uma parte de seus mais fiéis republicanos o abandonaram, o Twitter encerrou sua conta e o Facebook a suspendeu. Os delitos do ex-presidente não eram, entretanto, piores que os da CIA ou de outros chefes de …

por em