Pressão pela força

Estamos pedindo justiça aos nossos vizinhos e a reparação dos danos sofridos para podermos atender aos pobres mais pobres de nosso país”1, afirmou, com ênfase, Fernando Lugo, poucos dias antes de assumir a presidência do Paraguai. A eleição deste ex-bispo católico é símbolo de um processo histórico que se reflete no remanejamento do Partido Colorado …

por em

Os liberais diante da crise

O vigor das convicções ideológicas se mede por sua capacidade de resistir às respostas duras da realidade. Armados de seu sistema lógico, os liberais franceses não parecem tão desconcertados pela crise quanto poderíamos imaginar. “Deixem os liberais fora dessa crise, não se trata de um fracasso das teorias liberais, nem mesmo de seus mecanismos”, pede …

por em

Da Alca à IIRSA

No final de agosto de 2000, o neoliberalismo parecia inevitável e imbatível. Fernando Henrique Cardoso, então presidente do país, chamou a Brasília os outros 11 mandatários sul-americanos. Entre eles, estavam alguns que mais tarde sairiam “corridos” de seus governos. Como Alberto Fujimori, do Peru, e Fernando de La Rúa, da Argentina. A Bolívia enviou o …

por em

Turbulências na zona do euro

Até que ponto a tormenta financeira que está assolando a economia internacional poderia ameaçar a perenidade do euro? Os seus defensores estão convencidos de que isso jamais acontecerá, muito pelo contrário. Argumentam que no espaço de dez anos a zona do euro, que é a segunda economia mundial, tornou-se um refúgio de paz e segurança …

por em

Resposta ao liberalismo

Os dirigentes políticos mundiais estão visivelmente desconcertados diante da aceleração da crise sistêmica do capitalismo. Basta tomar uma decisão para que esta seja imediatamente superada pelos acontecimentos. Todos parecem conscientes de que os projetos de resgate financeiro, econômico e industrial colocados em prática nas metrópoles do neoliberalismo – ou seja, os países do G-7 – …

por em

Pelos becos e vielas da periferia

O panorama literário do país é dominado por livros didáticos, de autoajuda e religiosos. Porém, aos poucos, as grandes editoras vão percebendo a força de uma nova literatura que pulsa nos grandes centros urbanos. Usando a internet como vitrine, seus autores abusam da criatividade e aproveitam o avanço tecnológico para lançar produções de alto nível, …

por em

Passos importantes, muitas dificuldades

Reunidos em Brasília no início de dezembro de 2008, os países membros e associados do Mercosul decidiram ampliar o uso das moedas nacionais no comércio dentro do bloco, como Argentina e Brasil já vinham fazendo desde outubro, com o Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML). A prática evita o custoso processo de converter a …

por em

A nouvelle vague que não passa

A nouvelle vague nasceu simbolicamente em 1959 – quando Os incompreendidos, primeiro filme de um diretor de 27 anos chamado François Truffaut, teve acolhida triunfal no Festival de Cannes – e se tornaria, em seguida, um evento histórico de fundamental importância. Representava, ao mesmo tempo, a anunciação de todas as contestações dos anos de 1960, …

por em

Fundo Soberano Brasileiro

Os Fundos Soberanos de Riqueza (FSRs) adquiriram certa notoriedade nos últimos anos. Porém, essas instituições já fazem parte da fauna do mercado financeiro internacional há algumas décadas. No total, o grupo de fundos existentes reúne ativos em valor certamente não desprezível – estima-se que seja pouco menos de US$ 4 trilhões –, mas tampouco muito …

por em

Investigar a dívida pública

Em 1931 o presidente Getúlio Vargas determinou a realização de uma auditoria da dívida externa brasileira, depois de constatar que apenas 40% dos contratos estavam documentados. Não havia contabilidade regular, nem controle das remessas efetuadas ao exterior. Essa auditoria possibilitou a redução tanto do montante como do fluxo de pagamentos, permitindo a destinação de recursos …

por em

A proliferação do ódio

Esses militares até hoje vivem no tempo da guerra de Independência [1948] ou da campanha do Sinai [1956]. Com eles, tudo se resume a movimentar tanques, controlar territórios e conquistar determinado lugar. Mas todas essas coisas não têm valor algum. A guerra do Líbano [2006] ficará na história como a primeira durante a qual o …

por em

Irã, inimigo número um do Ocidente

Nossas relações com o Irã eram muito estreitas e bem ancoradas no tecido social dos dois povos”, lamentou um alto funcionário do Estado israelense logo após o aiatolá Khomeini conquistar o poder, em 1979. Na época, Teerã aparecia como um interlocutor natural, tanto para Tel-Aviv como para Washington. Trinta anos mais tarde, porém, as autoridades …

por em

Quanto maior a mentira…

Sob muitos pontos de vista, a ofensiva contra Gaza lembra a Guerra do Líbano de 2006, da qual os dirigentes israelenses visivelmente tiraram algumas lições. Não em relação à aplicação do direito internacional, que os obrigaria a manter a paz com os vizinhos. Mas sim sobre os erros do passado, tanto no âmbito militar quanto …

por em

David fala árabe

A antiga primeira-ministra de Israel, Golda Meir, costumava dizer que odiava os árabes pelo que eles obrigavam os israelenses a fazer. O último ataque de Israel a Gaza pareceu reviver não só a autorretidão de Meir, mas também seu odioso pessimismo. Ela nunca acreditou na paz com os árabes e agora a maioria dos israelenses …

por em

Um lugar que chora

Alguns dias depois do nosso retorno de onde acreditávamos ser, até recentemente, o futuro Estado da Palestina, e que hoje é a maior prisão (Gaza) e a maior sala de espera do mundo (Cisjordânia), eu tive um sonho. Eu estava sozinho, em pé, despido até a cintura, num deserto de arenito. Depois a mão de …

por em

A batalha da memória

Em grande parte da Espanha, o que chamamos de guerra civil era tão-somente repressão. O golpe de Estado militar do general Francisco Franco foi imediatamente seguido de um plano de extermínio”, declara o movimento de recuperação da memória da Espanha republicana. Para esses estudiosos, o objetivo dos franquistas não era somente ganhar a guerra: eles …

por em

George W. Bush, o presidente MBA

George W. Bush foi o primeiro presidente da história dos Estados Unidos a ter um diploma de MBA (Master of Business Administration). O título foi-lhe outorgado pela prestigiosa Harvard Business School, da Universidade Harvard. Bush se valeu dessa qualificação para definir a “administração eficiente” como prioridade de seu governo. Cerca de 20 anos após Ronald …

por em

Defesa dos direitos: uma loucura coletiva

No centro de Bogotá, na entrada de um arranha-céu vigiado por câmeras, um segurança pergunta mecanicamente o andar, a razão da visita, o número da carteira de identidade e o telefone. Em troca, fornece um crachá que autoriza a travessia do hall e dá direito a uma revista minuciosa, que culmina no acesso aos elevadores. …

por em

Gigante pela própria natureza

Em várias oportunidades, recentemente, o Brasil tem sido acusado por seus vizinhos de imperialista, isto é, de promover uma política de expansão e de domínio territorial, cultural e econômico na América do Sul. Não há dúvidas quanto ao papel de liderança ao qual o país se propõe e de fato assume na região. Não há …

por em

Agricultura patenteada

Há algum tempo, o pequeno Burkina Faso, um dos Estados mais pobres do mundo, se lançou discretamente na cultura de organismos geneticamente modificados (OGM). Em princípio, com o algodão BT.1 Revelada ao grande público em 2003, a parceria do país com a gigante americana de sementes Monsanto suscitou controvérsia entre a população rural e as …

por em

Soja: a expansão dos negócios

Nos últimos meses, várias notícias veiculadas pela imprensa nacional e internacional enfatizaram as ameaças de violência sofridas pelos brasileiros no Paraguai (os brasiguaios). O conteúdo das reportagens abrange duas situações bem definidas. De um lado, os brasileiros grandes proprietários de terras, produtores de soja e pecuaristas e, de outro, famílias de trabalhadores rurais que possuem …

por em

Novo belicismo do Canadá

Até recentemente, o Canadá era uma potência medíocre que assistia passivamente ao declínio de sua influência global. Com uma política externa baseada na “compaixão”, optava pelo multilateralismo como uma maneira de se distinguir de Washington. Agora, porém, tudo mudou. A ordem do dia é endurecer o tom, a fim de recuperar o prestígio perdido o …

por em