Fevereiro 2021

Edição 163

R$ 18,00Comprar

CENSURA CORPORATIVA

“Calem a boca!”

Edição 163 | EUA

No entanto, quando os direitistas norte-americanos se indignam com isso, sentimo-nos quase tentados a perguntar-lhes: não foram vocês e seus pensadores de Chicago os responsáveis pela ideia de que o poder público não deve reprimir o poderio das empresas nem a fortuna de seus proprietários, legitimados a seu ver pela livre escolha dos consumidores? Pois bem, hoje vocês próprios se tornaram vítimas desse “populismo de mercado”.


EDITORIAL

Rumo ao Quinto Mundo?

Edição 163 | Brasil

Ainda não chegamos ao fundo do poço. Ou seja, a situação ainda pode piorar, e muito! Esse cenário desolador e de barbárie, no entanto, não pode ser atribuído somente aos criminosos que estão no governo. Aprendemos com a história quem são os verdadeiros donos do poder neste país.


AMPLO CONSENSO NEOLIBERAL

As classes dominantes e o governo Bolsonaro

Edição 163 | Brasil

Acima dos interesses particulares das distintas frações do capital e da burguesia, deve-se reconhecer a existência de um amplo consenso entre todas elas, qual seja: a defesa e a execução das reformas e políticas econômico-sociais neoliberais, com a destruição dos direitos sociais e trabalhistas conquistados desde os anos 1930 e ampliados na Constituinte de 1988

 

 


PERSPECTIVAS DO BOLSONARISMO

A frente neocolonial

Edição 163 | Brasil

O bolsonarismo se apoia na burguesia comercial improdutiva, na burguesia industrial dependente e importadora, no setor extrativo atrasado e ilegal, no agronegócio desregulado e em uma infinidade de “pequenos empreendedores”, uberizados e precarizados. O setor financeiro foi conquistado a posteriori, no segundo turno da eleição presidencial, com o aval do ultraliberalismo de Paulo Guedes


A BURGUESIA BRASILEIRA, DE LULA A BOLSONARO

A unidade em torno da política social neoliberal e regressiva de Paulo Guedes

Edição 163 | Brasil

A unidade prevalece na relação da classe dominante com o governo Bolsonaro, mas não exclui conflitos secundários e de curto alcance. Estes são de dois tipos: conflitos entre as diferentes frações burguesas diante da política econômica e conflitos de uma ou mais dessas frações com o movimento bolsonarista que não é burguês. Esse segundo tipo de conflito se dá, principalmente, nas áreas de política externa, política democrática e política de costumes


ILUSÃO DE UMA VOLTA À NORMALIDADE

Paranoias norte-americanas

Edição 163 | EUA

Novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden afirmou logo de início sua vontade de reconciliar um país dilacerado, rompendo ostensivamente com a herança de seu predecessor. Concretizar esses dois objetivos será delicado, pois republicanos e democratas se odeiam e a amargura paranoica de uns conforta as tentações disciplinadoras de outros


PRODUTORES DE LEITE: ENTRE ORDENHADEIRAS A LASER E RENDIMENTOS MISERÁVEIS

A corrida infernal dos pequenos produtores do campo

Edição 163 | França

Todos os dias, um agricultor comete suicídio, o que faz dessa categoria socioprofissional a maior vítima do flagelo dos suicídios na França. Forçados a uma corrida desenfreada pela produção, a fim de compensar os preços miseráveis, os produtores de leite se imaginam “empresários”, mas vivem como escravos dos grandes grupos para os quais trabalham


DETETIVE FIDEL CASTRO

O enigma do La Coubre

Edição 163 | Cuba

Em março de 2021 completam-se 61 anos da dupla explosão no Porto de Havana que provocou a morte de setenta pessoas. Acidente, sabotagem ou atentado? Os revolucionários, que um ano antes haviam derrubado o ditador Fulgencio Batista, conduzem a investigação. Documentos recentemente revelados lançam uma nova luz sobre o caso


UMA PERSPECTIVA REABERTA PELO BREXIT

A Escócia sonha com a independência

Edição 163 | Escócia

O Reino Unido às vezes parece um jogo de varetas no qual a retirada da vareta “União Europeia” ameaça o todo com um colapso geral. Com a entrada em vigor do Brexit, no início de 2021, Edimburgo retoma as esperanças de autonomia em relação ao Reino Unido. A Escócia continua presa entre um futuro britânico que não deseja mais e a independência que ainda não pode reivindicar


UMA REFORMA BANCÁRIA DEVASTADORA

Pequenas poupanças arruinadas na Ucrânia

Edição 163 | Ucrânia

Desde 2014, a Ucrânia expurgou de seu sistema bancário mais de uma centena de estabelecimentos. Essa guerra econômica, que passou despercebida em razão dos enfrentamentos armados em Donbass, foi feita em nome da luta contra a corrupção. Mas ela arruinou milhares de pessoas que tinham pequenas economias e apenas embaralhou as cartas dentro da oligarquia –sem fazê-la vacilar


UMA AMARGA DÉCADA PÓS-REVOLUCIONÁRIA

Após os anos de “desordem”, o governo egípcio procura recuperar a influência

Edição 163 | Egito

Enquanto crescem as violações dos direitos humanos, o presidente Al-Sisi tenta colocar o Egito de volta ao centro do jogo diplomático regional. Ele quer fortalecer suas relações com a Arábia Saudita e evitar tensões com o novo governo dos Estados Unidos. O Egito não descarta intervir na Líbia e busca aliados para impedir o projeto da barragem etíope nas nascentes do Nilo


DA REVOLUÇÃO AO APAGAMENTO

Praça Tahrir, um símbolo sitiado

Edição 163 | Egito

Epicentro da revolução egípcia há dez anos, a Praça Tahrir, no Cairo, esteve no coração dos confrontos e da mobilização que levaram à queda do presidente Hosni Mubarak em 11 de fevereiro de 2011. Desde o golpe de Estado militar perpetrado em 3 de julho de 2013, o regime se reapropriou do lugar, limpando-o de qualquer vestígio da revolta popular


A ESCRAVIDÃO NO CENTRO DAS CADEIAS DE ABASTECIMENTO MUNDIAIS

Sangue e lágrimas nas luvas malaias

Edição 163 | Malásia

Agora que o uso de luvas de látex ou nitrilo explode com a pandemia de Covid-19, os industriais da Malásia, maiores produtores mundiais, exploram uma mão de obra barata proveniente dos países vizinhos. A armadilha da dívida então se fecha sobre os imigrantes, obrigados a pedir empréstimos para ter o direito de trabalhar


REVOLTA CONTRA A REFORMA DA POLÍTICA AGRÍCOLA

Na Índia, a maior greve do mundo

Edição 163 | Índia

Em plena crise sanitária, o governo indiano promulgou três decretos para uma brutal desregulamentação do sistema público alimentar e agrícola. Desde sua aprovação pelo Parlamento, em meados de setembro de 2020, essas leis suscitaram um movimento de protesto inédito em todo o país, marcando o fim de um pacto moral entre governo e campesinato


RITUAL NACIONAL... E FATOR DE CONTÁGIO

Como o chimarrão argentino resiste à Covid-19

Edição 163 | Argentina

Se a Covid-19 mata, ela tem também outro impacto, provocando incontornáveis transformações radicais no cotidiano diante da débil capacidade de reação à pandemia. Na Argentina, o dia é pontuado pelo compartilhamento – em família, no trabalho, entre amigos – de uma infusão, o chimarrão, um ritual que a doença ameaçou. Só por um tempo…


UMA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DECISIVA PARA A ESQUERDA

No Equador, o banqueiro, o iogue e a esperança

Edição 163 | Equador

Em 7 de fevereiro acontece o primeiro turno das eleições presidenciais equatorianas. O chefe de Estado em fim de mandato, Lenín Moreno, fez de tudo para destruir a herança da esquerda, da qual, no entanto, é oriundo. A crise de seu governo constitui um revés para os conservadores e intelectuais desnorteados que ele logrou seduzir. A esperança voltará ao país?


MÃES SOLO NA ARMADILHA DAS “POLÍTICAS DE ATIVAÇÃO”

“Tem que trabalhar, senhora”

Edição 163 | França

Em 2008, o Subsídio a Pais Solteiros passou a integrar o serviço de Renda de Solidariedade Ativa na França. Desde então, a administração pressiona mulheres que criam seus filhos sozinhas a entrar para o mercado de trabalho. Enquanto o número de empregos assistidos diminui, as subsidiadas sofrem uma pressão à qual não conseguem resistir, sem a liberação da obrigação de serem “boas mães”


RESENHAS

Miscelânea

Edição 163 | Brasil