Tenho um pensamento sempre otimista

O sol que castiga o gramado dos campos de golfe do condomínio de alto padrão localizado na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, parece não alcançar os andares mais altos do prédio em que vive Martinho da Vila. O amplo apartamento do artista é arejado e fresco, sem …

por em

“Seu sofrimento não é como o meu”

Em agosto de 1955, Emmett Till, um afro-americano de 14 anos de idade, natural de Chicago, foi assassinado no estado de Mississippi, onde estava visitando membros de sua família. Seus dois assassinos brancos foram detidos e julgados; o júri precisou de uma hora para dar seu veredicto: “não são culpados”. Essa morte não tinha nada …

por em

Empresários no poder

No Peru, Pedro Pablo Kuczynski, empresário eleito para a presidência em 2016 e forçado a renunciar após um escândalo de corrupção, foi substituído em 23 de março de 2018 por Martín Alberto Vizcarra, também empresário. Mesmo cenário de cerca de quatro anos atrás no Panamá, onde o patrão Juan Carlos Varela sucedeu ao patrão Ricardo …

por em

Ascensão e queda da América do Sul

No último dia 20 de abril, Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Peru e Paraguai anunciaram a suspensão, por tempo indeterminado, de sua participação na União de Nações Sul-Americanas (Unasul). O grupo alega que a organização não está funcionando adequadamente e que a polarização política tem atuado como impeditivo para a obtenção de uma posição consensuada sobre …

por em

A austeridade deteriora a saúde mental dos gregos

A austeridade radical imposta à Grécia desde 2010 não somente agravou a situação da economia e o endividamento do país, com queda da produção e disparada do desemprego. Entre os moradores de Atenas, ela teria provocado um aumento fenomenal do consumo de psicotrópicos (multiplicado por 35), de ansiolíticos à base de benzodiazepínicos (multiplicado por 19) …

por em

A pilhagem de peixes da África

Em seu amplo escritório em Gaborone, Botsuana, Per Erik Bergh examina imagens de satélite do tráfego marítimo na costa da África oriental. Entre as dezenas de pequenos pontos que se deslocam em sua tela, um absorve toda a sua atenção. Faz mais de vinte anos que esse robusto norueguês de cabelos brancos rastreia os barcos …

por em

Israel assombrado pela Nakba

“A marcha do grande retorno”: é assim que as organizações políticas palestinas nomeiam a série de ações realizadas todo ano entre 30 de março e 14 de maio. Para o Estado de Israel, o 14 de Maio marca a festa nacional, em lembrança à declaração de independência por David Ben-Gurion, em 1948. A sociedade palestina, …

por em

Gás lacrimogêneo, lágrimas de ouro

Diferentemente de outros mercados, a indústria da manutenção da ordem não teme a agitação social nem as crises políticas – muito pelo contrário. As revoltas da Primavera Árabe em 2011 e as manifestações que abalaram o mundo nos últimos anos fizeram explodir a venda de gás lacrimogêneo e de equipamentos antimotim. Com o talão de …

por em

Tudo ia bem. Já não vai mais

Em 2008, um jovem candidato à primária democrata e depois à eleição presidencial norte-americana alimentava o entusiasmo dos comentaristas pelo método inovador utilizado em sua campanha: coletar os dados pessoais dos cidadãos que poderiam votar nele. E ele foi tão bem-sucedido que, segundo a jornalista Sasha Issenberg, a equipe de Barack Obama “sabia o nome …

por em

É preciso acabar com o tráfico de dados

A vida de Catherine Taylor virou de cabeça para baixo no dia em que uma corretora de dados pessoais escreveu por engano no arquivo sobre ela: “Tentativa de vender e fabricar metanfetamina”. Essa falsa acusação se espalhou como rastilho de pólvora, por meio da venda desenfreada de informações relativas ao consumidor. Quando foi procurar emprego, …

por em

A uberização da Uber

Desde a década de 1980, a crise que assola o mundo do trabalho e a sociedade salarial vem sendo documentada e pensada pelo trabalho acadêmico e amplamente debatida nas arenas políticas dos mais diversos países. Essa crise implica o abalo do modelo que prevaleceu em parte considerável do século XX, caracterizado pelo predomínio do emprego …

por em

Democratas e a inovação como religião

Quando pedimos aos democratas um balanço sobre suas administrações – os acordos de livre-comércio, por exemplo, ou a legislação incompreensível para reformar Wall Street –, eles respondem que ninguém poderia ter feito melhor. Afinal de contas, eles tiveram de se arranjar com aqueles horríveis republicanos que obstruem sistematicamente o Senado e modificam as circunscrições eleitorais …

por em

Como o Russiagate cega os democratas

Os bombardeios franco-americano-britânicos na Síria, na sequência do envenenamento de um ex-espião russo e de sua filha no Reino Unido, mergulharam as relações entre a Rússia e o Ocidente em abismos inéditos. No entanto, alguns, pouco sensíveis a essas tensões, chegam a ver nisso razões para ter esperanças, a começar pelo New York Times. Comentando …

por em

O que os russos querem no Oriente Médio?

A intervenção militar da Rússia na Síria em 2015 era facilmente dedutível. Durante o primeiro ano do conflito (2011-2012), o Kremlin acreditava que o regime de Bashar al-Assad conseguiria superar a tempestade, desde que estivesse protegido contra ingerências externas. Essa ilusão se dissipou à medida que os confrontos se agravaram. Moscou tentou então tomar providências …

por em

A outra margem da política

Poucos negariam o diagnóstico: há uma evidente decomposição do sistema de representação política e do corpo político como um todo, o que deixa exposta a diferença abissal entre “governo democrático” e vida democrática, isto é, o povo criando de forma permanente e vivendo em democracia; vivemos um momento de incerteza e desordem, sérios conflitos criados …

por em

Projetar cidades com a sociedade

A conjuntura marcada pelo desmanche de garantias fundamentais, conservadorismo cultural, austeridade com a cidadania e generosidade com grandes atores do mercado também tem impactos negativos sobre a vida cotidiana das populações urbanas. O lado mais dramático dessa descida morro abaixo é a volta da violência e da pauperização extrema e a naturalização de violações de …

por em

Democracia e barbárie

  Dorothy Stang tinha feito seus votos de pobreza havia exatamente uma década quando, em 1966, aos 35 anos, resolveu trocar a Califórnia, nos Estados Unidos, pelo trabalho pastoral com pequenos agricultores em Coroatá, no Maranhão. Na década de 1970, ela foi viver na região do Xingu, no Pará, onde fundou a primeira escola de …

por em

Aos cuidados dos proprietários de terra

Uma grande reunião acontece todas as terças em uma linda pousada de um bairro de alto padrão de Brasília. “É um almoço e o menu muda toda semana”, explica o encarregado de comunicação da “bancada ruralista”. No cardápio não estão petiscos ou menu degustação, e sim temas que esse grupo de latifundiários do Parlamento discutem …

por em

A volta da violência política no Brasil

Desde 2016 e da destituição da presidenta Dilma Rousseff pelo Congresso – uma operação que a esquerda designa como “golpe de Estado parlamentar” –, o Brasil parece retomar um passado que muitos achavam superado: o de uma terra regida pelos “colonos” e “bandeirantes”, caciques locais que se utilizavam da violência para se livrar das pessoas …

por em

A intervenção de interesses privados na segurança pública no Rio de Janeiro

“Salve-se quem puder.” No que tange às políticas de segurança pública, o Rio de Janeiro parece levar esse dito popular ao paroxismo. Mas quem pode se salvar? Eis o não dito que ajuda a entender como se trata menos de inação que de um tipo específico de ação pública. Aquela que se propõe a salvar …

por em

Nossos sonhos não cabem nas vossas urnas

Vivemos em um sistema político e econômico viciado no lucro e na concentração da riqueza. Os recursos naturais e as pessoas precisam ser explorados até o limite e, quando não servem mais, são descartados como lixo, confinados nas favelas ou vão mofar nas prisões. É um sistema baseado na destruição e exploração incessantes, no consumismo, …

por em

Maio, uma esperança no oceano

Na vida de um povo, é um momento precioso. Levanta-se a tampa das leis sociais. De repente, a resignação e os costumes se tornam assunto de reflexão, depois são questionados. O “rio das cidades cinza e sem esperança de oceano”1 encontra outros, se ilumina; e todos desembocam no mar. O “por que não?” substitui o …

por em