Miscelânea – resenhas

A RELIGIÃO DO CAPITAL Paul Lafargue, 100/cabeças Do célebre autor de Direito à preguiça e contemporâneo de Marx, A religião do capital (1887) ganha edição impecável, com o perdão do trocadilho, já que encharcada na religião cristã, em forma e conteúdo. O projeto gráfico pode fazer com que ele seja confundido com um missário romano. …

por em

“Traga sua garrafa!”

Apenas dois meses após o confinamento da população britânica, o chefe de gabinete do primeiro-ministro britânico à época, Boris Johnson, convidou mais de cem colaboradores para uma festa no jardim de Downing Street. “Traga sua garrafa”, enfatizava o e-mail de convite. Teve início então uma série de celebrações secretas que, entre 2020 e 2021, se …

por em

Quanto vale a cripto-Monalisa?

Em 11 de março, após uma batalha de leilões que durou catorze dias, durante a qual o site da Christie’s quase caiu, o non-fungible token (NFT, “token não fungível”), do designer norte-americano Michael Winkelmann, mais conhecido como Beeple, intitulado Everydays: The First 5000 Days [Diariamente: os primeiros 5000 dias] e posto à venda por US$ …

por em

Escócia: petróleo ou desemprego?

Na principal ilha do arquipélago de Shetland, a 180 quilômetros ao norte da costa da Escócia, o dono de um pequeno restaurante indiano sonha viver em outro lugar. “Temos de sair, não há mais o que fazer aqui. Era muito animado há alguns anos, mas agora acabou.” Sua família chegou ali em 1984, na época …

por em

Bioética, cadê você?

Há alguns anos existem perspectivas para selecionar o óvulo do qual os filhos vão ser gerados. Em 2016, no Japão, células da pele de ratos “reprogramadas” puderam ser transformadas em gametas, que geraram embriões viáveis na origem de ratos férteis.1 Aplicada à nossa espécie, essa tecnologia poderia revolucionar a prática do diagnóstico genético pré-implantacional (DGPI), …

por em

Corrida atômica no Oriente Médio

“A Arábia Saudita não quer ter uma bomba nuclear. Mas, se o Irã desenvolvesse a sua, nós seguiríamos seus passos assim que possível, sem a menor dúvida.” Assim se exprimiu, em março de 2018, o príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman (MBS),1 em uma clara advertência ao vizinho e rival do reino wahabita. Algumas semanas …

por em

Entre Kiev e Moscou, o desafio nuclear

No dia 11 de setembro de 2022, durante uma conversa telefônica com seu colega francês, o presidente russo, Vladimir Putin, reiterou seu alerta sobre a situação da usina nuclear de Zaporíjia. Maior central nuclear da Europa, a usina fica próxima da cidade de Energodar, às margens do Dnieper, rio que divide neste momento as linhas …

por em

A Ucrânia e seus falsos amigos

Assim como as dores nas costas e as condições meteorológicas, “o fim da globalização” é um tema sempre pronto para usar e volta e meia reaparece na imprensa. Ensaístas e jornalistas já fizeram o funeral da liberalização global após os ataques de 11 de setembro de 2001, durante a crise financeira de 2008 e de …

por em

Na Rússia, a palavra “guerra” não é tabu

“Você é psiquiatra?”, pergunta, com um largo sorriso, Boris Vishnevsky, deputado do Yabloko (oposição liberal) no Parlamento de São Petersburgo. Cruzamos com ele por acaso na rua. Vishnevsky andava apressado para alguma reunião política, enquanto nós tentávamos arrancar declarações, explicando-lhe o objetivo de nossas pesquisas: compreender o estado da opinião pública russa nestes tempos conturbados. …

por em

A contestada presença do Exército britânico no Quênia

Nairóbi, 10 de março de 2022. É uma “decisão histórica”, diz a manchete do diário queniano The Nation.1 A juíza Antonina Cossy Bor, do Tribunal Ambiental e Fundiário (Environmental and Land Court) de Nanyuki, acaba de declarar admissível a queixa de mil pequenos camponeses de Lolldaiga contra a Unidade de Treinamento do Exército Britânico no …

por em

A classe média precisa ser tranquilizada

Às vésperas do XX Congresso do Partido Comunista Chinês, uma sombra paira sobre a China: a da classe média. Esta última esteve no cerne da grande virada impulsionada nos anos 1990 e permanece no centro dos desafios atuais. As centenas de milhões de chineses que a compõem (entre 350 milhões e 700 milhões, conforme diferentes …

por em

As fragilidades de Xi Jinping

“Devemos fazer da sobrevivência nosso objetivo principal.”1 O alerta do poderosíssimo fundador da Huawei, Ren Zhengfei, teve o efeito de uma minibomba no mundinho comunista chinês. Sem dúvida, esse grande empresário, pouco habituado a expressar abertamente seus pensamentos, falava de seu grupo empresarial. Mas todos compreenderam que o diagnóstico ia muito além, sendo raro um …

por em

No Chile, a esquerda decepcionada com o povo

A rejeição pela grande maioria da população chilena de um projeto de nova Constituição1 reconhecido por seus muitos avanços mergulhou os intelectuais progressistas na melancolia. Mais uma vez, o povo decepcionou-os. A consternação é ainda mais aguda porque, há anos, o antigo laboratório do neoliberalismo na América Latina se transformou em um viveiro da esperança.2 …

por em

Rumo ao bolsonarismo sem Bolsonaro?

O primeiro turno das eleições de 2022 escancarou o óbvio: o Brasil é um país profundamente conservador. Esse conservadorismo tem tintas reacionárias bastante evidentes, pois o repúdio às chamadas “pautas progressistas” – como a equidade de gênero, o combate ao racismo e a preservação ambiental – é marcado por valores que não apenas pretendem conservar …

por em

O perfil do Centrão na nova legislatura

A atual legislatura está chegando ao fim. A dois meses do encerramento do atual governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) já é possível afirmar que a “quebra da ordem da velha política” – promessa realizada ainda nas campanhas de 2018 – durou pouco. A partir de 2020, Bolsonaro se rendeu à formação de uma coalizão …

por em

Partidarização ou personalização das disputas nos estados

Comentaristas políticos frequentemente argumentam que no Brasil, tanto na disputa eleitoral como no governo e no Legislativo, as lideranças políticas importariam mais do que os partidos. Os mais exacerbados sugerem que os políticos trocam de partido como trocam a roupa do dia. A filiação a um partido, uma condição imposta pela legislação para disputar eleições …

por em

Para 2o turno, intensificar a campanha é essencial

De acordo com o agregador de pesquisas do jornal O Estado de S. Paulo, a média das intenções de voto de Jair Bolsonaro na véspera do primeiro turno das eleições presidenciais era de 36% dos votos válidos, 7 pontos percentuais abaixo do resultado encontrado nas urnas. Para entender essa diferença, conversamos com Rachel Meneguello, professora …

por em

Qual é o plano para o segundo turno?

Se, por um lado, a porcentagem de abstenções em turno eleitoral no país não se modificou tanto, por outro, ao analisarmos os números e o panorama eleitoral, percebemos que o nível experimentado nessa eleição teve seu impacto mais sentido em uma das candidaturas. Com isso, o PT sofre novamente com a abstenção eleitoral e ainda …

por em

Não podemos temer o Brasil que saiu das urnas

Ao final da noite de 2 de outubro, o clima entre as pessoas progressistas era de decepção com a não vitória de Luiz Inácio Lula da Silva no primeiro turno e medo por conta dos votos de Jair Bolsonaro. Esperava-se, em razão das pesquisas e do sentimento da reta final, uma vitória definitiva do petista, …

por em

Você decide

O primeiro turno das eleições mostrou uma sociedade fraturada, dividida, com dois grandes grupos sociais se enfrentando e buscando se impor um sobre o outro. Um tem 48% dos votos; outro, 43%. E não há possibilidade de negociação. O meio de campo, ou a terceira via, como querem alguns, deixou de existir. E essa situação …

por em

Secessões norte-americanas

Cada um dos dois grandes partidos norte-americanos sugere que a democracia vai perecer se ele não levar a melhor no próximo dia 8 de novembro, nas eleições de meio mandato. Isso porque seu adversário não defende somente ideias impraticáveis ou repreensíveis: trata-se de um inimigo, de um corpo estranho, imoral e subversivo.1 Anteriormente voltada aos …

por em