Eleições viram a mesa da direita

Nós precisamos ter coragem e acreditar no futuro. Temos de agir com bravura, com o coração livre e imbuído de paz.” Estas palavras não foram pronunciadas por Hatoyama Yukio, o novo primeiro-ministro japonês, por ocasião do seu discurso de posse, em 16 de setembro de 2009. Tampouco foram ditas no dia que se seguiu ao triunfo …

por em

Distante, mas ainda organizados

Você está em território rebelde. Aqui manda o povo e o governo obedece”. Envelhecido pelo tempo e carcomido pela ferrugem, o grande painel metálico que anuncia a entrada nas zonas insurgentes ainda é bem visível. Em Oventic, em Chiapas, a “autonomia de fato” perdura há mais de 15 anos. No começo do século XXI, com …

por em

Em pauta, a “reinvenção do capitalismo”

Cada lugar tem o fanatismo que merece”, diz um hai-kai do escritor Mario Benedetti. Com apenas 3,5 milhões de habitantes, o Uruguai está politicamente dividido entre direita e esquerda. O fanatismo dessa polarização é, contudo, muito localizado, pretensamente civilizado, sem grandes explosões ou tensões à flor da pele, talvez porque a direita não seja muito …

por em

Bits, genes, átomos: o futuro chegou

Em 1986, o pesquisador Eric Drexler popularizou o termo “nanotecnologias” definindo-o como o conjunto de técnicas que permite a criação e a manipulação de objetos materiais de milionésimos de milímetro1. Tratava-se de uma acepção de alcance muito vasto, pois quase todas as substâncias presentes no mundo são estruturadas nessa escala. Disciplinas tão diversas como a …

por em

Nossa luta

Há 20 anos o jornal Le Monde Diplomatique anuncia a formação do ciclone econômico que hoje devasta as salas de redação e esvazia as bancas de jornal. A análise das causas não protege contra os efeitos, e o Le Monde Diplomatique também sofre as consequências das intempéries. Menos que outros títulos, e de uma maneira …

por em

Bem-vindas as novas ideias

O paradigma de desenvolvimento, tal como o concebemos, não só é inapropriado, como se torna a cada dia mais perigoso. A acumulação permanente de bens materiais não tem futuro. Se essa lógica continuar dominante a humanidade caminha para o suicídio coletivo. Um enunciado como este seria considerado de um esquerdismo infantil e um absurdo até …

por em

“Hoje a tecnologia dita minha música”

Tom Zé começou falando sobre a relação entre o Languedoc francês e o sertanejo nordestino, passou pela sua obra mais recente e por muito pouco não nos contou seu próximo projeto. “Mulher que fala muito perde logo o seu amor”, disse, justificando o silêncio. Discorreu sobre a música brasileira, as novas tecnologias e sua relação …

por em

Um novo Estado desenvolvimentista?

O governo brasileiro de Getúlio Vargas reagiu à derrocada dos preços do café, causada pela crise de 1929, com políticas de defesa da economia nacional: a compra dos estoques excedentes e a moratória para as dívidas dos cafeicultores. Estas medidas e a desorganização do mercado mundial – provocada pela depressão e depois pela a guerra …

por em

Revolução da viola: do culto à vanguarda

Os dedos de Almir Sater ponteiam um blues. O ganso é o nome da música. Composição própria, tocada no palco do programa Viola, minha viola, da TV Cultura, sob o olhar atento da cantora e folclorista Inezita Barroso. O templo da música caipira muda naquele momento. Pelas suas mãos, o Pantanal se aproxima do Mississipi. …

por em

Política e economia, outra vez articuladas

O pronunciamento de Lula no dia 7 de setembro, entrando na trilha de Getúlio Vargas, propõe nacionalizar o pré-sal e dá início a uma discussão sobre o novo marco regulatório para os setores de mineração e energia, o que coloca o Estado novamente no centro das reflexões sobre o futuro do Brasil. Para entender a …

por em

Vale tudo?

Em 12 de novembro de 1993, o kick-boxeador e karateka full contact holandês, Gerard Gordeau, entra na jaula octogonal instalada na McNichols Sports Arena de Denver, Estados Unidos, para um “combate final” contra Teila Tuli, um lutador havaiano de sumô. Desde o início da luta, Tuli, que pesa 80 quilos a mais que seu adversário, …

por em

De volta para o futuro

Durante as últimas décadas, os defensores e porta-vozes da globalização neoliberal, como o FMI (Fundo Monetário Internacional), o Banco Mundial e a maior parte da mídia, defendiam publicamente que não havia alternativas ao atual modelo de desenvolvimento. A pobreza que atingia milhões de indivíduos seria, principalmente, resultado da incompetência dos países do Sul tanto em …

por em

Mudar mentalidades e práticas: um imperativo

A crise climática é a consequência mais evidente, mais imediata e mais ameaçadora do modelo industrial, produtivista e consumista em que se baseia a nossa economia e o modo de vida que levamos. Não se trata de algo conjuntural, mas do esgotamento de um sistema que tem como motor o ter e o acumular. Um …

por em

É essa reforma que queremos?

Desde os primeiros anos da década de 1980, estamos vendo crescer em todo o mundo uma onda global de reforma do setor público, sempre com vistas a reduzir o tamanho do Estado, mediante promessas de agilizar a administração e dotar os serviços públicos de maior eficácia e eficiência, com redução de custos. Essa ideia, porém, …

por em

O multilateralismo em questão

Quando será que mais um “G” vai surgir para somar-se a uma lista já bastante extensa, a qual, por enquanto, vai do G2 ao G192, se nela incluirmos a Assembleia Geral das Nações Unidas? Essa proliferação é recente. De fato, depois do desaparecimento da União Soviética, os únicos agrupamentos internacionais realmente destacados e dotados deste …

por em

Na Dinamarca, a social-democracia à prova

Vista do resto da Europa, a generosidade do Estado dinamarquês é de dar inveja: todo recém-nascido tem vaga garantida nas creches a partir dos seis meses de idade; a saúde é gratuita; os idosos recebem cuidado em domicílio; e os jovens têm direito a cinco anos de subsídio para seus estudos, aos quais se acrescenta, …

por em

El Salvador: uma esquerda conciliadora

Evidentemente, cem dias não são suficientes para determinar o que fará o novo governo salvadorenho nos próximos cinco anos de seu mandato. Mas talvez sirvam para entender o que ele não quer e o que não pode fazer. Três meses depois da posse do presidente Mauricio Funes, candidato pela Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional …

por em

A joia russa na Guiné

Árvores centenárias, estruturas coloniais, uma paisagem de densas florestas e pedras esverdeadas. E de repente, em tamanho natural, aparece a imagem impressa nas cédulas do Banco da Guiné: as minas de bauxita de Fria. Avistam-se então três edifícios de concreto, adornados com centenas de varandas e antenas parabólicas. Os três slogans da Russkij Aluminij (Rusal), …

por em

Iêmen dividido

Imune aos olhares externos, a região de Saada, no noroeste do Iêmen, transformou-se em palco de violento conflito desde junho de 2004. Um grupo de rebeldes denominados “utistas” opõe-se ao governo central, em Sanaa. Antes liderados pelo ex-político Husayn Al-Houthi, hoje o comando do grupo está nas mãos de Abdoulmalik al-Houthi, que substituiu o irmão …

por em