Abril 2021

Edição 165

R$ 18,00Leia mais

PLANO BIDEN

Viva o “risco sistêmico”!

Edição 165 | EUA

Os Estados Unidos acabam, com efeito, de adotar uma das leis mais sociais de sua história. Ela descarta as estratégias econômicas feitas nas últimas décadas, que favoreciam as rendas do capital – “inovadores” e rentistas juntos – e castigavam as classes populares


EDITORIAL

Para enfrentar a fome

Edição 165 | Brasil

Agora, no momento mais agudo da crise sanitária e de desemprego, há uma redução substancial do auxílio emergencial no valor e no número de pessoas que beneficia. É falta de dinheiro?


PANDEMIA

Coronavírus, negacionismo e infelicidade: uma política de governo no Brasil

Edição 165 | Brasil

Essa cegueira situacional levou o país a ser avaliado como a pior gestão pública do mundo na condução da pandemia

Insensatez negacionista do governo central, que atua contra o combate à pandemia, se dá por omissão ou por ação e é intencional, um programa de governo. A não aplicação efetiva e oportuna de políticas e medidas de contenção caracteriza a omissão. Por outro lado, esse mesmo governo adota ações contrárias ao combate da pandemia


OS EFEITOS DA PANDEMIA E DA VOLTA DE LULA

Ideologia, bases sociais e as perspectivas do bolsonarismo

Edição 165 | Brasil

A parcela militante de extrema direita é minoritária socialmente e muito inferior ao total de pessoas que dizem apoiar o governo

Bolsonaro busca estimular o caos social para uma ruptura democrática e conta com a cumplicidade e inação de parte do Congresso


UM MODELO ECONÔMICO QUE CORROMPE O DEBATE POLÍTICO

Os incontáveis painéis de debate nos canais de notícias 24 horas

Edição 165 | Mundo

Com suas imagens espetaculares, GCs que desfilam pela tela e comentaristas instalados no palco, os canais de notícias 24 horas colonizaram nosso imaginário visual e mental. Suas antenas, que proliferaram nos anos 1990 em nome do pluralismo e do “dever de informar”, negligenciam a investigação e a reportagem e imprimem seu ritmo à vida pública


NÃO HÁ DEMOCRACIA SEM VERDADE, NÃO HÁ VERDADE SEM DIÁLOGO

O desaparecimento do debate

Edição 165 | Mundo

A proliferação de fake news ilustra a invasão do espaço público pela mentira. Seria simples incriminar as redes sociais e os mentirosos que perturbam a vida pública. No entanto, sufocando a livre e racional troca de ideias sobre a “comunicação”, nossas democracias destroem o sentido das palavras e impedem que a verdade surja


TRANSFORMAÇÃO PARA UNS, DISTRAÇÃO PARA OUTROS

Chile: uma nova Constituição bastará?

Edição 165 | Chile

A indignação fermenta há muito tempo no Chile, um país moldado pela ditadura Pinochet. Como, no entanto, romper com o passado e consertar a sociedade? Confrontado a um movimento social poderoso, o presidente conservador Sebastián Piñera encampa a ideia de uma nova Constituição. Uma concessão às mobilizações ou uma forma de esfriá-las?


RESENHAS

Miscelânea – Resenhas

Edição 165 | Brasil

AUXILIARES EUROPEUS PARA A OPERAÇÃO BARKHANE

França terceiriza sua guerra no Sahel

Edição 165 | França

Diante do custo exorbitante – quase 1 bilhão de euros por ano – de sua presença militar no Sahel, a França encontra dificuldades para obter apoio de seus parceiros europeus. Depois do envio de equipamentos e de conselheiros técnicos, um punhado de países finalmente aceitou despachar pequenos contingentes de soldados. Contudo, esses gestos simbólicos exigem contrapartida


QUANDO OS EUROPEUS ACORDAVAM POR VOLTA DA MEIA-NOITE

A história do sono

Edição 165 | França

Deitar-se à noite, dormir direto, despertar de manhã: nada mais normal. Esse encadeamento parece tão natural que sua interrupção no meio da noite é considerada um distúrbio. Nem sempre foi assim. Por milênios, o sono humano foi cortado por um despertar noturno. Um tempo para si, envolto em sonhos, que abria uma porta ao inconsciente


EFETIVO REDUZIDO E MÉTODOS DE TRABALHO ARCAICOS

Por que os funcionários públicos japoneses se matam de trabalhar

Edição 165 | Japão

Longe do estereótipo do servidor público que vive ao abrigo das vicissitudes da existência, os altos funcionários japoneses trabalham em condições exaustivas, fazendo até trezentas horas extras por mês. As leis sociais – já muito pouco protetoras – não se aplicam a eles. Um número crescente desses trabalhadores abandona os ministérios, provocando uma crise inédita do serviço público


DEMOCRACIA E EMERGÊNCIA A MEIO MASTRO

O grito de raiva da juventude senegalesa

Edição 165 | Senegal

Uma sublevação popular de amplitude inédita abalou o Senegal entre 4 e 8 de março. A repressão dos motins custou a vida de onze manifestantes com idade entre 12 e 35 anos, e a fachada amena da “democracia” nesse país da África ocidental ficou subitamente borrada. Uma contestação social, avivada pelas restrições provocadas pela pandemia, com raízes profundas


UMA EXTREMA DIREITA RECONCILIADA COM A UNIÃO EUROPEIA

Na Itália, a austeridade volta pela janela

Edição 165 | Itália

Quando se tornou a segunda principal formação política da Itália, há três anos, faltava à Liga (extrema direita) palavras duras o bastante contra Bruxelas e as políticas de austeridade. O partido, contudo, ingressou, em fevereiro, no governo de Mario Draghi, ex-presidente do Banco Central Europeu. Como explicar essa reviravolta?


COOPERADOS EM BUSCA DE UM NOVO MODELO

Na Bélgica, um improvável banco ético

Edição 165 | Bélgica

Indignados com o comportamento das instituições bancárias às vésperas da crise de 2008, organizações belgas iniciaram a introdução de uma dose de ética no setor. Elas criaram uma estrutura sem fins lucrativos e constataram que a virtude nem sempre tem o resultado esperado e que a moral, sozinha, tem dificuldade para reformar as finanças


CONTRA A IMIGRAÇÃO, A ARMA DA PROPAGANDA

Campanhas de dissuasão maciças

Edição 165 | Mundo

Para constranger os candidatos à migração, considerados indesejáveis, os governos ocidentais não se limitam, desde 1990, a militarizar suas fronteiras e endurecer as legislações. Às estratégias repressivas, acrescentam-se métodos de aparência mais consensual: as campanhas de informação multimídia


30 ANOS APÓS O FIM DA URSS, POPULAÇÃO AINDA CONSIDERA MORADIA UM DIREITO

Mobilização contra os golpes imobiliários na Rússia

Edição 165 | Russia

As vendas fraudulentas de apartamentos na planta arruinaram dezenas de milhares de famílias russas. Em resposta aos protestos, o Estado começa a fazer indenizações enquanto promete melhorar a regulamentação do mercado. Isso bastará para convencer a população da ex-URSS que a habitação, antes um bem essencial oferecido pelo Estado, é uma mercadoria como as outras?


A ADMINISTRAÇÃO BIDEN DIANTE DO LEGADO DOS ANOS TRUMP

O difícil diálogo entre Washington e Teerã

Edição 165 | EUA

A Casa Branca relançou as discussões com o Irã no sentido de alcançar um novo acordo nuclear com a República Islâmica. As negociações despertam hostilidade da Arábia Saudita, preocupada com as repetidas críticas que Joe Biden lhe dirigiu, e de Israel, que, no entanto, está tranquilo em relação ao imobilismo norte-americano a propósito da Palestina


CAPITALISMO GENOCIDA

O Brasil como campo de provas da selvageria

Edição 165 | Brasil

Não é apenas o livre trânsito do vírus Sars-Cov-2 que este governo vê com complacência e até bons olhos, preferindo apostar na mão invisível da “imunidade de rebanho” a salvar centenas de milhares de vidas. Também na dimensão econômica há uma estratégia genocida, talvez menos perceptível


POTENCIAL PARA REALMENTE TRANSFORMAR O PAÍS

Por que não conseguimos aproveitar o valor econômico da biodiversidade?

Edição 165 | Brasil

A própria pandemia é consequência direta do impacto que os seres humanos causam nos ecossistemas